Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/11/21 às 18h00 - Atualizado em 8/11/21 às 18h11

500 agentes de vigilância ambiental finalizam curso de aperfeiçoamento teórico

Na próxima semana os agentes já estarão nas ruas do DF aptos para atuar no combate à dengue

 

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF | EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

 

Esta segunda-feira (8) foi o último dia do curso teórico de aperfeiçoamento dos 500 novos agentes de Vigilância Ambiental (AVAs). O treinamento começou na semana passada e tem como objetivo capacitar todos os profissionais acerca das funções que irão desempenhar. Foram quatro dias de curso teórico presencial e a partir desta terça-feira (9), haverá atividade prática. Na próxima semana, os agentes estarão nas ruas do DF trabalhando.

 

Treinamento dos AVAs – Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

“Aqui repassamos tudo sobre as atribuições do agente de vigilância ambiental, falamos sobre agrotóxico, mosquitos e divisão da Diretoria de Vigilância Ambiental. A partir de amanhã todos irão para as cidades em que atuarão e farão mais quatro dias de curso prática. Vão colocar a mão na massa e aliar o que aprenderam aqui na prática”, explica o diretor de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde, Jadir Costa Filho.

 

Com o início do período chuvoso no Distrito Federal há uma tendência de aumentar a proliferação do mosquito Aedes aegypti e, consequentemente, os casos da dengue. Segundo o diretor, o número de agentes de vigilância ambiental ainda é muito aquém do necessário, tendo em vista que cada agente fica responsável por inspecionar uma média de 800 a 1 mil imóveis por mês.

 

“O aumento das chuvas incrementa os casos de dengue, por isso precisamos estar ativos no combate do mosquito e este reforço com mais 500 agentes vai ajudar bastante”, salienta.

 

Secretário de Saúde dando boas vindas aos AVAs – Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

O secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache, esteve presente no último dia de treinamento teórico e ressaltou que o trabalho dos AVAs é excepcional e fundamental para a saúde, pois muitos ajudam com a vacinação e, principalmente, no combate à dengue.

 

“Este é o momento de perguntar, de tirar todas as dúvidas para depois aliar o conhecimento adquirido à prática. Acreditamos no trabalho de todos que estão aqui e sabemos que todos deixarão um legado. Por isso, dediquem-se ao máximo, pois o combate ao mosquito da dengue é uma das nossas missões para cuidar da saúde de todos”, destaca Pafiadache.

 

De acordo com o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, 40 agentes de vigilância ambiental que tiverem a carteirinha do Conselho Regional de Enfermagem ativa irão participar da vacinação nas feiras do Distrito Federal. Ele pediu ânimo a todos pois assim “não teremos um processo epidêmico da dengue tão alto em 2022”.

 

Expectativas

 

Antônia foi aprovada no processo seletivo para agente de Vigilância Ambiental – Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

Antônia Gizele de Souza, de 42 anos, nunca trabalhou como agente de vigilância ambiental, mas tinha uma noção do serviço. Ela conta que achou o curso muito bom, com abordagem de todos os temas necessários. “Foi um treinamento excelente, ademais, só colocando os ensinamentos em prática, indo nas casas, batendo de porta em porta”, avalia.

 

Eliseu  foi aprovado e participou do treinamento teórico – Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

Para Eliseu dos Santos, de 28 anos, o trabalho de agente de vigilância ambiental é algo novo e ele não conhecia. Porém, achou o curso de aperfeiçoamento muito interessante e rico de conteúdos.

 

“Foi tudo bem explicado, deu pra agregar bastante coisa, muito conhecimento. Agora, teremos o curso prático para colocar em campo tudo que aprendemos estes dias”, afirma.

 

Jaqueline vai atuar como AVA no Distrito Federal – Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

Quem também gostou do treinamento foi Jaqueline Fernandes, de 42 anos. Ela já foi agente comunitária de saúde e passou 40 dias atuando como AVA, o que a deu experiência. “Gostei muito do curso, não focou só no mosquito da dengue. Tivemos uma excelente base”, analisa.