Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/11/12 às 19h04 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

85% das unidades da SES já estão informatizadas

Taguatinga e Planaltina completarão lista dos hospitais sem papel

A informatização já atingiu 85% das 170 unidades da Secretaria de Saúde e já está em andamento a análise para instalação dos computadores nos hospitais de Taguatinga e Planaltina, os últimos a se transformarem em “hospitais sem papel”. O avanço do projeto fica evidente ao se analisar o número de servidores que utilizam o Sistema Integrado de Saúde(SIS). Em janeiro de 2011 eram cerca de cinco mil funcionários e hoje já são mais de 19 mil utilizando a ferramenta que disponibiliza, entre outros recursos, o prontuário online de todos os pacientes, acessível de qualquer unidade da rede que esteja informatizada.

Para o subsecretário de Tecnologia da Informação em Saúde, José Carlos Esteves, quando se fala em informatização é preciso levar em conta todos os passos até a conclusão do serviço. “A informatização envolve desde a análise do layout do setor, número de servidores, cabeamento, análise e adequação da rede elétrica,que tem que estar de acordo com o que será feito em termos de instalação de computadores”, avalia.

O subsecretário destaca que a rede de saúde é dinâmica, trabalha 24 horas por dia e o suporte em informatização não pode parar. “Além de termos que avançar na informatização das unidades, é preciso dar condições de funcionamento às que estão em expansão. Esse é o exemplo do Hospital de Base, um hospital já informatizado mas que, devido à ampliação de serviços aos usuários, passa pela total informatização do ambulatório, com a instalação de mais de 200 máquinas”, informa José Carlos.

Fim do vai e vem de papéis

Na Regional de Saúde do Núcleo Bandeirante/Candangolândia, o fim da ida e vinda dos prontuários foi comemorado pelos servidores. Segundo a coordenadora Regional de Saúde, Rita Cássia Paes Ribeiro, a informatização traz ganho de tempo e eficiência ao serviço. “O fato das informações estarem arquivadas num mesmo local possibilita ao profissional ter acesso à história do paciente de forma rápida, fazendo com que todos os passos do atendimento tenham mais qualidade e ocorram mais rapidamente”, explica.

A coordenadora citou como exemplo o Centro de Saúde 01 da Candangolândia, onde o sistema de informação de saúde (TrackCare) está em fase de implantação. Segundo Rita Cássia, todos os 60 servidores serão treinados até o fim do próximo mês, para utilização do sistema.

A gerente do Centro, Débora de Oliveira Matos, explica que as informações dos prontuários de papel estão sendo migradas paulatinamente para os prontuários virtuais oferecidos pelo sistema. “Durante algum tempo teremos que lidar com os dois tipos de prontuários porque existem informações importantes relativas à história clínica dos pacientes que deverão ser digitadas pelo médico e isso terá que ocorrer juntamente com as demais etapas do atendimento”, enumera.

Esse é o caso do clínico Mário França Flores, que para cada paciente faz um resumo de todos os procedimentos anteriores. “Acredito que quando estiver devidamente implantado e em funcionamento pleno será um ganho muito grande tanto para os pacientes como para os profissionais”, avalia o médico, que também é epidemiologista e lembra que posteriormente os gestores poderão levantar informações importantes em termos de saúde pública.

Até o fim do mês um técnico está assessorando diretamente os servidores no uso da nova ferramenta e, posteriormente, qualquer dúvida poderá ser sanada pelo suporte da Diretoria de Tecnologia-Ditec/SES-DF, que funciona 24 horas via telefone ou assessoramento remoto.

Arielce Haine