Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/11/19 às 11h07 - Atualizado em 14/11/19 às 11h25

Adultos jovens devem ser vacinados contra o sarampo

A campanha agora é para quem tem entre 20 e 29 anos de idade

 

Foto: Breno Esaki/SAúde-DF

O dia 18 de novembro marca o início da segunda etapa da campanha de vacinação contra o sarampo. O público-alvo desta etapa são os adultos jovens com idade entre 20 a 29 anos. O dia D desta fase está marcado para 30 de novembro.

 

“Esses adultos representam o segundo público em relevância, pois há um alto número de casos nesta faixa etária. No Distrito Federal, há uma predominância de casos entre esses adultos jovens. Dos cinco casos de sarampo notificados no DF, este ano, quatro eram adultos”, destaca a gerente da Imunização da Secretaria de Saúde, Renata Brandão.

 

Foto: Breno Esaki/SAúde-DF

A campanha tem o objetivo de atualizar o cartão de vacina com a Tríplice viral, que, além de defender contra rubéola e caxumba, também protege contra o sarampo. Por isso, é importante resgatar o cartão de vacina e levar aos postos.

 

“Esta vacina está disponível em todas as salas de vacinação, no horário normal de funcionamento de cada sala. Todos os indivíduos, entre um e 29 anos, têm de ter duas doses da vacina Tríplice Viral, e dos 30 aos 49 anos, uma dose. Recomendamos que esses adultos resgatem e levem as cadernetas de vacinação às salas de vacina para protegermos o DF do sarampo”, ressalta a técnica de Imunização da Gerência de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis de Transmissão Hídrica e Alimentar, Fernanda Ledes.

 

Foto: Mariana Raphael/Arquivo-SES

TRANSMISSÃO – O sarampo é contagioso e o vírus é transmitido por uma pessoa doente ao espirrar, tossir ou falar. Os sintomas da doença são manchas vermelhas pelo corpo, febre, coriza, conjuntivite, manchas brancas na mucosa bucal.

 

A patologia pode acometer adultos e crianças, com risco de complicações graves e até de evolução para óbito. Embora os adultos sejam mais resistentes que as crianças, as complicações são as mesmas. E a vacina é a única maneira de evitar que isso aconteça.

 

Veja aqui os endereços das salas de vacina.

 

 

Nivania Ramos, da Agência Saúde

Arte: Danielle Freire/Arquivo-SES