Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/09/16 às 17h16 - Atualizado em 30/10/18 às 15h16

Base fará mutirão para retirar câncer de mama

COMPARTILHAR

Expectativa é atender 10 das 16 pacientes que aguardam na fila

BRASÍLIA (20/9/16) – No próximo sábado (24), a Unidade de Mastologia do Hospital do Base promoverá, das 7h às 19h, um mutirão de mastectomia para tratar 10 mulheres com câncer de mama. Elas serão submetidas a procedimentos para retirada parcial ou total do seio. A ação será realizada voluntariamente pelos servidores da unidade, fora da escala de plantão.

“Vamos praticamente zerar a fila de espera pelo procedimento no Base, que hoje é de 16 pacientes. A grande importância é o fato de operar em tempo hábil para garantir o tratamento”, destacou o médico chefe da Unidade de Mastologia, Mauro Passos, ao informar que as outras seis mulheres para encerrar a fila já estão programadas para fazer a mastectomia nos dias seguintes ao mutirão.

A agenda comemora o “Outubro Rosa”, mês em que tradicionalmente são promovidas atividades de conscientização sobre a importância da detecção precoce da doença. De acordo com Instituto Nacional do Câncer (Inca), mais de 57 mil brasileiras são afetadas pelo câncer de mama, considerado o tipo mais letal entre as mulheres.

Das pacientes beneficiadas no Base, quatro terão que fazer a retirada total e outras demais farão a cirurgia conservadora, ou seja, apenas parte do tecido é retirado. A equipe que realizará as operações será composta por 10 mastologistas, além de anestesistas, enfermeiros e técnicos, todos da Secretaria de Saúde.

“Na Secretaria de Saúde, os servidores sempre se mobilizam no sentido de ajudar, porque a gente convive com o sofrimento dos pacientes, por isso, nos engajamos na causa”, finalizou uma das médicas que atuará no mutirão, Carolina de Miranda Fuschino.

CÂNCER DE MAMA – A doença resultante da multiplicação de células anormais, que formam um tumor. O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentando assim as chances de tratamento e cura.

Além de fazer o autoexame das mamas, também é recomendado que as mulheres de 50 a 69 anos façam uma mamografia de rastreamento a cada dois anos, que pode ajudar a identificar o câncer antes do surgimento dos sintomas.