Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/06/14 às 21h17 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Centro Integrado garante monitoramento e qualidade em saúde na Copa

248 atendimentos foram realizados

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF), por meio da Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS), divulgou que foram realizados 248 atendimentos desde o dia 12 de junho, quando começaram os jogos da Copa do Mundo 2014.

O Centro Integrado de Ações de Saúde (CIAS) é formado por 20 especialistas da área de saúde que planejam, monitoram e controlam ações nas situações de risco, nas demandas por atendimento (assistência em saúde) e nas ocorrências da vigilância epidemiológica e sanitária.

Para isso, o CIAS funciona durante 24h com o Centro de Informações Estratégicas e Vigilância a Saúde (CIEVS) e o Centro de Informações toxicológicas (CIT). Todo esse conjunto colabora para monitorar todos os agravos, acidentes (atendimentos em emergência) e contaminações que podem surgir durante a realização do evento.

“Procuramos integrar vários órgãos e instituições de saúde para dar um suporte nesses eventos de grande número de pessoas, para solucionar de forma racional e ágil os problemas que ocorrem. É todo um trabalho feito criteriosamente com profissionais de diversas áreas”, ressalta Marília Coelho Cunha, Subsecretária de Vigilância em Saúde.

Referência

O CIAS transformou-se em referência em todo o País por integrar várias ações em uma e consegue manter o monitoramento satisfatório de todas as ações da saúde no DF. “Tentamos interligar áreas essenciais da saúde como Regulação, Assistência em Saúde, SAMU, Divisa, Vigilância Epidemiológica e Ambiental”, acrescenta a Subsecretária.

Monitoramento

O CIAS realiza reuniões, estudos de casos e acompanhamento em conjunto com profissionais da rede pública de saúde. As equipes de profissionais contam com um sistema que monitora os leitos dos hospitais, rede de serviços, números de atendimentos em emergência, recursos médicos, materiais e humanos, além de monitoramento de câmeras de vigilância e abastecimento de recursos materiais.

Além da equipe formada por profissionais da área de saúde (gestores, gerentes e especialistas), a SES/DF conta com um “Oficial de Ligação” – um representante da Vigilância Sanitária que atua no Estádio Nacional Mané Garrincha e na FanFest e faz o mediação entre o Governo local e Federal para tomada de decisões.

Divisa

O monitoramento da Diretoria de Vigilância Sanitária (Divisa) começou meses antes com a vistoria de vários estabelecimentos alimentares do DF. Atualmente é realizada inspeção no estádio antes e no dia do jogo. “Fazemos a inspeção de alimentos fornecidos para as pessoas dentro do estádio para evitar contaminações alimentares”, acrescenta Daniel Lima da Silva, coordenador da equipe.

NEPAV

Além das ações de assistência em saúde, vigilância sanitária e ambiental, o Centro conta com o Núcleo de Estudos e Programas na Atenção e Vigilância em Violência (NEPAV) que busca normatizar, articular e promover os serviços para pessoas em situação de violência.

“Procuramos agir nesses locais onde ocorrem violências de diversos tipos, de forma a evitar as situações de abuso. Buscamos desenvolver habilidades para que mulheres, crianças e adolescentes pratiquem comportamentos preventivos e proativos, para o autocuidado e segurança pessoal e de medidas para a identificação de sinais e sintomas de violências”, afirma a Fernanda, Coordenadora do NEPAV.

Números

Desde o dia 12 de junho foram realizados 248 atendimentos. Entre estes estão os do SAMU perto do Estádio e na FanFest. “Esses atendimentos foram totalmente controlados e monitorados pelo CIAS, que ofereceu o suporte necessário para uma boa assistência às demandas”, destaca Marília Coelho Cunha.

Criação

O Centro Integrado de Ações de Saúde da SES/DF atua junto com o Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (CIOCS) do Ministério da Saúde e foi criado pelo governador Agnelo Queiroz, em junho de 2013.

Alessandra Franco, da Agência Saúde DF