Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/06/19 às 17h46 - Atualizado em 14/06/19 às 17h49

CLDF homenageia profissionais que participaram do tratamento de Lis e Mel

COMPARTILHAR

Assistência das crianças foi prestada integralmente na rede pública de saúde

 

Profissionais de saúde que participaram da cirurgia para separar as gêmeas siamesas Lis e Mel foram homenageados em Sessão Solene na Câmara Legislativa do Distrito Federal na tarde desta sexta-feira (14). Representando o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, a secretária adjunta de Assistência à Saúde, Renata Rainha, prestou homenagem a mais de 50 pessoas que fizeram história ao realizar a primeira cirurgia desse tipo no DF.

 

“Nada disso seria possível se o doutor Benício não tivesse à frente dele a humanização da medicina. O caso das meninas serve para a gente poder frisar a importância disso, porque ele olhou para elas como dois seres humanos que precisavam de ajuda, de atenção”, destacou a gestora.

 

A humanização do atendimento frisado pela secretária adjunta também esteve presente no depoimento dos pais das gêmeas, Camila e Rodrigo Neves. Segundo eles, a equipe médica passou a ser uma grande família. “Eu só tenho a agradecer aos nossos anjos, em nome do doutor Benício, a todos que fizeram parte da equipe. Vocês foram muito importantes para nós nesse momento, além do apoio da família, que estive com a gente no momento que a gente mais precisava”, frisou a mãe.

 

O processo de preparação para a realização da primeira cirurgia desse tipo na capital federal começou ainda no pré-natal. Os exames mostravam que elas estavam unidas pela cabeça, único caso registrado até hoje em Brasília e um caso raro na medicina.

 

Acompanhando a gravidez desde a 10ª semana, o neurocirurgião Benício Oton, foi montando a equipe que teve a participação de médicos do Hospital da Criança, do Hospital Regional da Asa Norte e do Hospital Materno Infantil, além de especialistas em siameses dos Estados Unidos.

 

“É impossível pensar que uma cirurgia desse porte possa ser feita por uma só pessoa. A equipe envolveu a parte dos médicos de diversas especialidades, as equipes de enfermagem, segurança, limpeza e todos os demais. Todos os colegas que eu pedi alguma ajuda se prontificaram em colaborar. Isso foi muito legal, essa união em torno da Lis e da Mel, que amoleceram o coração de todos”, relatou o médico que coordenou todo o procedimento.

 

A cirurgia foi realizada no dia 27 de abril de 2019, pouco antes de as meninas completarem 11 meses de vida e durou mais de 20 horas. As gêmeas nasceram ligadas pela testa e dividiam pele, parte do crânio e meninge, um conjunto de membranas que reveste o cérebro.

 

Josiane Canterle, da Agência Saúde

Fotos: Mariana Raphael/Saúde-DF

Leia também...