Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/04/13 às 14h13 - Atualizado em 30/10/18 às 15h04

Cobertura da vacinação contra HPV atinge quase 70%

Já foram imunizadas 40.198 meninas em todo o Distrito Federal

Pouco mais de 15 dias de campanha foram suficientes para a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF) atingir quase 70% da cobertura vacinal contra o HPV. Já foram imunizadas 40.198 meninas em todo o DF. A meta da SES é imunizar 67 mil estudantes da rede pública e particular de ensino de Brasília.

De acordo com o secretário-adjunto de Saúde, Elias Miziara, “o DF vai chegar aos 100% de vacinação muito antes do esperado”. Ele ressalta que, para alcançar esse resultado, a SES vem trabalhando para esclarecer, ao público alvo e seus responsáveis, quanto à importância da imunização. O HPV é o principal causador do câncer do colo do útero, uma doença grave responsável pela morte de cerca de 90 mulheres por ano só na capital do País.

O número de doses distribuídas, de acordo com relatório da coordenação da campanha, é de 51.113. Ceilândia foi a região administrativa com maior número de doses aplicadas, 6.231, seguida por Taguatinga, com um total de 4.356 doses.

Asa Norte também se destacou, com 3.360 alunas vacinadas. Samambaia aplicou 3.338 doses; Planaltina, 3.287; Asa Sul, 3.174 e Sobradinho, 2.391.

Os resultados foram, de acordo com o relatório, positivos em todas as regiões administrativas. A maioria vacinou quase três mil adolescentes, como Santa Maria, com 2.310 e Recanto das Emas, com 2.219.

A doença

Os HPVs são vírus capazes de infectar a pele e as mucosas. A transmissão se dá por contato direto com o local infectado, sendo que a principal forma de transmissão é pela via sexual. Quando a infecção persiste, ela pode resultar no desenvolvimento de lesões precursoras, progredindo para o câncer, principalmente no colo do útero, mas também na vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe e boca.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), existem mais de 100 tipos diferentes de HPV, sendo que 40 deles podem infectar o trato ano-genital. Para evitar o surgimento do câncer de colo do útero é importante que as mulheres façam exames preventivos (Papanicolau ou Citopatológico), que podem detectar as lesões precursoras. Quando essas alterações que antecedem o câncer são identificadas e tratadas, é possível prevenir a doença em 100% dos casos.

As lesões clínicas se apresentam como verrugas ou lesões denominadas condilomas acuminados e popularmente chamadas “crista de galo”, “figueira” ou “cavalo de crista”. Têm aspecto de couve-flor e tamanho variável. Nas mulheres, podem aparecer no colo do útero, vagina, vulva, região pubiana, perineal, perianal e ânus. Em homens, podem surgir no pênis (normalmente na glande), bolsa escrotal, região pubiana, perianal e ânus. Essas lesões também podem aparecer na boca e na garganta, em ambos os sexos.

Próximas doses

Para garantir a efetividade da vacina, é necessária a aplicação de três doses, com intervalos de 60 e 180 dias após a primeira dose. O calendário de vacinação foi organizado de acordo com o calendário escolar, das escolas públicas e privadas, respeitando o período das férias. A primeira dose será aplicada até 26 de abril, a segunda, de 3 a 28 de junho e a terceira de 30 de setembro a 1º de novembro.