Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/12/13 às 14h58 - Atualizado em 30/10/18 às 15h09

Cobertura na Atenção Álcool e Drogas avança em Samambaia e Taguatinga

COMPARTILHAR

A ampliação dos serviços de Saúde Mental no Distrito Federal beneficiou moradores das regiões administrativas de Samambaia, Taguatinga e demais áreas de abrangência. Este ano, foram inaugurados dois Centros de Atenção Psicossocial – Álcool e outras Drogas (CAPS-AD III): um em Samambaia destinado a usuários adultos e outro em Taguatinga, para crianças e adolescentes. Ambas as unidades já acolheram mais de 1.700 pessoas.

A expansão da cobertura em Saúde Mental, por ocasião do Plano Distrital de Enfrentamento ao Crack, instituído em 31 de agosto de 2011, coloca Brasília em um novo patamar no que se refere à atenção a usuários de álcool e drogas. Hoje o indicador de cobertura local é de 0,31 CAPS-AD para cada grupo de 100 mil habitantes, sendo que a cobertura assistencial do país, segundo o Ministério da Saúde, é de 0,17 CAPS-AD por 100 mil habitantes.

Esses centros especializados no cuidado de pessoas que convivem com a problemática do uso de álcool e outras drogas, atuam com equipes multiprofissionais (composta por clínico, psiquiatra, psicólogo, assistente social, terapeuta ocupacional, farmacêutico, enfermeiros e técnicos de enfermagem), que visam suas ações na reconstrução de planos e perspectivas de vida de seus usuários, com foco na ampliação da autonomia, reconstrução de vínculos e na qualidade de vida, além da superação da dependência.

Samambaia: mais de cinco mil atendimentos individuais

“Tenho problema com álcool e já tinha procurado ajuda em outros lugares. Foi quando me indicaram o CAPS de Samambaia. Fui muito bem recebido, desde a recepção. Aqui tem tudo para a pessoa se recuperar”, relata José Goés, 53 anos, morador de Taguatinga Sul.

Antônio Luciano, 56 anos, residente em Samambaia, também revela satisfação com o serviço da unidade. “Além da minha família, encontrei forças no CAPS. Há 25 anos que convivo com o álcool. Participo duas vezes na semana de três oficinas: uma de música, outra para evitar a recaída e a do futebol. Fiz até uma música para o CAPS”, afirma.

Em 24 de abril, a população de Samambaia ganhou o primeiro CAPS-AD, tipo III, com funcionamento 24 horas, todos os dias da semana. A unidade já acolheu 962 pessoas e, até 31 de outubro, registrou 5.018 atendimentos individuais. Os pacientes acolhidos participam de grupos terapêuticos, como verbalização, lúdicos, de orientação, suporte às famílias, de construção da autonomia e estímulo à participação social. São em torno de cem grupos por mês.

Estatística da unidade mostra que 66% do público têm entre 30 e 50 anos e 85% são do sexo masculino. Os dados revelam ainda que a droga de uso eletivo mais freqüente entre aqueles que buscam ajuda no centro é o álcool, com 54%; seguido pelo uso de múltiplas drogas, 19%; e cocaína e crack, 8% dos pacientes.

“Entendo que, apesar de sermos uma unidade jovem, estamos atuando de modo afinado com a perspectiva do Ministério da Saúde, conseguindo oferecer à população um atendimento cada vez mais qualificado e voltado à reconstrução de histórias de vida”, enfatiza o gerente do CAPS-AD III de Samambaia, Ademário Britto.

O atendimento abrange, além de moradores de Samambaia, residentes em Taguatinga e Recanto das Emas.

Outro benefício para a população foi a inauguração no mês de agosto da Unidade de Acolhimento Residencial Transitório (UA). Um recurso do CAPS-AD III que atua no processo de vulnerabilidades sociais dos pacientes, com capacidade para receber até 15 pessoas por vez, com tempo de permanência de no máximo seis meses.

Ademário avalia os primeiros resultados do atendimento da UA, desde o seu funcionamento, em 30 de agosto deste ano. “Em uma primeira análise verificou-se que 70% dos usuários que estiveram na UA foram inseridos em atividade laboral; 65% melhoraram laços e relacionamentos familiares e 45% reconquistaram moradia”, explica.

Os pacientes contam com um espaço temporário que tenta reproduzir o ambiente residencial confortável para aqueles que estejam em tratamento no CAPS-AD III. O foco é a recuperação de laços sociais rompidos, como trabalho, moradia e família. Eles têm à disposição um ambiente com salas de acolhimento, repouso, espaço para as equipes e grupos, sala de estar, cozinha, refeitório, lavanderia, sala de estudos e de televisão, quatro quartos para os acolhidos com banheiros, sendo três masculinos e um feminino, almoxarifado e depósito.

Serviço:
O CAPS-AD III de Samambaia está localizado na QS 107, Conj.7, Lotes 3 e 4 – Samambaia Sul. Contatos para mais informações são 3459-2581, 3359-6831.

Taguatinga: reforço na Saúde Mental para crianças e adolescentes usuárias de drogas

Crianças e adolescentes até 18 anos que sofrem com a dependência de drogas também foram beneficiados em Taguatinga, com a instalação do Centro de Atenção Psicossocial, especializado em Álcool e Drogas infanto juvenil (CAPS – ADi III). Desde maio, quando iniciou as atividades, a unidade acolheu 750 pacientes.

O funcionamento é 24 horas por dia, com acolhimentos das 7h às 19h, sendo que a permanência do paciente que tenha indicação de desintoxicação leve é de 14 dias, no máximo.

A construção de um projeto de vida e a busca por outras formas de satisfação pessoal, longe das drogas, com vistas à integração social e familiar são desafios dessa unidade, que tem como área de abrangência crianças e adolescentes residentes em Taguatinga, Samambaia, Águas Claras, Vicente Pires, Ceilândia, Brazlândia, Gama, Santa Maria e Recanto das Emas.

Os pacientes atendidos pelo CAPS – ADi III de Taguatinga contam com uma estrutura física ampla e moderna. São quatro salas para oficinas; oito enfermarias; quatro consultórios clínicos; uma farmácia; um jardim interno e uma cozinha industrial. Além de uma equipe formada por psicólogo, assistente social, terapeuta ocupacional, clínico, psiquiatra, enfermeiro e técnico de enfermagem.

As atividades que compõem o projeto terapêutico dos usuários incluem oficinas, grupos e atendimento individual, grupos de familiares e o acolhimento integral, conforme a necessidade do paciente.

Serviço:
O CAPS-ADi III de Taguatinga fica na QNF 24, Área Especial – Taguatinga Norte. Os contatos para mais informações são 3351-1918, 3563-8252, 3562-7510.

Outras unidades no DF
Com os esforços na área, a Secretaria de Saúde conta atualmente com nove CAPS-AD em funcionamento, sendo quatro do tipo II, que funcionam no período diurno, e cinco, tipo III, com funcionamento 24 horas. São eles, CAPS-AD II do Guará, Sobradinho, Itapoã e Santa Maria; CAPS-AD III para atendimento adulto da Rodoviária, Samambaia e Ceilândia e para atendimento infanto-juvenil, o CAPS-ADi III de Taguatinga e Brasília (em processo de ampliação do horário de funcionamento para 24 horas).

Todos ofertam cuidados contínuos a pessoas usuárias de álcool e outras drogas, com equipes multiprofissionais. O trabalho nos CAPS é realizado em espaços coletivos, de forma articulada com os outros pontos de atenção da rede de saúde e das demais redes. Os CAPS-AD II atendem, em média, 40 a 45 pacientes por dia e os CAPS-AD III, de 90 a 100 usuários.

Por Iêda Oliveira, da Agência Saúde DF
Atendimento á Imprensa
(61)3348-2547 / 2539 e 9862-9226

Leia também...