Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/05/13 às 19h51 - Atualizado em 30/10/18 às 15h05

Combate à Leishmaniose no Varjão e no Lago Norte neste sábado

COMPARTILHAR

Testes rápidos e informações sobre a doença

Foto: Renato Araújo

A Secretaria de Saúde do Distrito do Federal (SES/DF) promove neste sábado (18) a segunda ação da Campanha de Combate à Leishmaniose Visceral, lançada em abril. Os agentes estarão no estacionamento público em frente ao Centro de Saúde nº 16, quadra 05 conjunto A, lote 17 (Área Especial – Varjão, próximo à Administração) e no estacionamento do Shopping Deck Norte, no Lago Norte, das 9h às 16h.

O objetivo do Governo é reduzir a incidência da doença em todo o Distrito Federal, por meio da conscientização sobre a transmissão. “Nos locais, serão montados estandes de coleta de sangue dos cães para diagnóstico e teste rápido de leishmaniose visceral canina (DPP). Quem passar pelo local poderá obter informações e tirar dúvidas sobre o ciclo de vida do inseto (vetor) e do animal contaminado (reservatório) com os profissionais da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival)”, explicou a gerente da Gerência de Vigilância Ambiental de Zoonoses (Gevaz), médica veterinária, Lucia d'Andurain.

Desde o início da campanha, em abril, no Shopping Boulevard e no Jardim Botânico, foram feitos 362 coletas de sangue e diagnósticos para leishmaniose e 484 animais foram vacinados contra a raiva. Entre os 362 diagnósticos realizados durante as ações, foram detectados 44 possíveis casos de leishmaniose.

Sintomas
No animal, os principais sintomas são: perda de apetite, feridas no corpo, unhas crescidas, queda de pelos e secreção nos olhos.

Medidas de proteção individual
– Evitar ambientes externos no período de atividade do mosquito (crepuscular e noturno);
– Utilizar calças compridas e camisas de mangas compridas nos horários crespusculares e noturnos;
– Telar as janelas da casa.
Medidas de proteção para o cão:
– Utilizar coleiras repelentes a base de Deltametrina 4%;
– Procurar um médico veterinário caso haja suspeita de cão doente;
– Recolhimento dos cães com exames laboratoriais positivos para leishmaniose; não transferir ou adquirir cães de outras áreas, principalmente, quando de regiões endêmicas como Piauí, Ceará, Bahia, Maranhão, Minas Gerais (Unaí, Paracatu, Belo Horizonte, Montes Claros etc.), Mato Grosso do Sul (Campo Grande), Tocantins, entre outros.

Medidas ambientais
– Podar as árvores evitando o sombreamento excessivo. Limpar os quintais e jardins e aparar os gramados. Os restos de poda e da limpeza do terreno, bem como, as folhas e as frutas caídas no chão devem ser acondicionadas em sacos plásticos e disponibilizadas para a coleta pública;
– Evitar criação de aves, principalmente em áreas urbanas;
– Acondicionar e destinar corretamente o lixo;
– Materiais, como madeiras, devem ser mantidos sobre estrados com altura mínima de 40 cm do solo e materiais em desuso, como restos de obras, devem ter um destino adequado.

ATENÇÃO
Caso seu cão tenha obtido resultado reagente para leishmaniose, leia atentamente o laudo de exame laboratorial e entre em contato com a Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) pelos telefones: 3343-8803 ou 3343-8804.