Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/04/20 às 18h06 - Atualizado em 2/04/20 às 21h49

Convênio entre FAP-DF e Finatec beneficiará ações contra a Covid-19

Saúde será contemplada com diversos projetos

 

Com a finalidade de apoiar a execução e o desenvolvimento de projetos e ações de pesquisa, inovação e extensão destinadas ao combate da Covid–19, a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF) e a Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) firmaram um convênio em que a Secretaria de Saúde do Distrito Federal será beneficiada diretamente.

 

Segundo o secretário de Saúde, Francisco Araújo, esse convênio “é um passo importante para superação de uma das grandes dificuldades que todo o Brasil enfrenta, ou seja, o de realizar testagens do coronavírus, a partir da aquisição de materiais e insumos”. O secretário ressalta que será reforçada a capacidade de diagnóstico do Lacen, com investimentos da ordem de R$ 5 milhões.

 

A FAP-DF disponibilizará recursos orçamentários/financeiros no valor de R$ 30 milhões, que serão repassados à Finatec de acordo com cronograma de desembolso contido no plano de trabalho.

 

“Nosso maior objetivo, sempre destacado pelo governador Ibaneis Rocha, é aplicar nossos recursos para o enfrentamento das grandes demandas do DF e agora, não poderia ser diferente, já que o enfrentamento da pandemia de Covid-19 é um desafio não apenas aqui, mas em todo o mundo”, afirma o diretor-presidente da FAP-DF, Alessandro França Dantas.

 

De acordo com ele, a atuação articulada entre governo, universidade e setor produtivo, especialmente em momentos difíceis, é uma valiosa estratégia para conseguir fortalecer a capacidade de ação, baseada em ciência, tecnologia e inovação.

 

ATUAÇÃO – Para atingir o objetivo geral, o convênio abrange três eixos principais de atuação. O primeiro deles é o apoio a projetos selecionados no âmbito da chamada de propostas de projetos e ações de pesquisa, inovação e extensão para o combate à Covid-19, publicada pela Universidade de Brasília (UnB), em 25/03/2020.

 

O segundo eixo é o apoio a projetos voltados para a solução de demandas da Secretaria de Saúde relacionados ao combate da Covid-19. O terceiro eixo é o fomento ao setor produtivo (startups, micro e pequenas empresas) que tenha por objetivo o desenvolvimento de ações e projetos de inovações tecnológicas e produtos que se enquadrem no combate à Covid-19 e às consequências da pandemia.

 

 

BENEFÍCIOS – Dentro desses eixos, diversos projetos serão desenvolvidos. O primeiro deles, feito em parceria direta com a Secretaria de Saúde, é para o fortalecimento da capacidade de diagnóstico do Laboratório Central do Distrito Federal (Lacen-DF), para o qual a previsão orçamentária é de R$ 5 milhões.

 

Nesse sentido, o Instituto de Ciências Biológicas da UnB (ICB/UnB) já disponibilizou máquinas de PCR (termocicladores) para o Lacen-DF com o objetivo de colaborar com o aprimoramento da infraestrutura da instituição.

 

No contexto de pandemia, na qual a infraestrutura e insumos para diagnóstico de pessoas infectadas e o impacto positivo que esse procedimento tem na saúde pública são essenciais, a Finatec propõe a aquisição de 15 mil kits, reagentes e demais insumos para diagnóstico da infecção pelo novo coronavírus; aquisição de 10 mil kits reagentes (teste rápido) e demais insumos para diagnóstico da infecção; e aquisição de máquinas de PCR (termocicladores) para o diagnóstico do novo coronavírus.

 

“Tudo isso se trata de uma ação inicial prevista pelo convênio. Outras ações poderão ser contempladas por meio do mesmo convênio ou outras instituições, tais como Fiocruz e agências da Nações Unidas”, explica o chefe da Assessoria de Gestão Estratégica e Projetos da Secretaria de Saúde, Carlos Humberto Spézia.

 

Segundo Spézia, a importância em se testar de forma maciça a população do Distrito Federal para o novo coronavírus, e não apenas os casos graves, tem respaldo na experiência internacional, já que países como Coreia do Sul, Taiwan e Japão conseguiram, até o presente momento, achatar a curva de transmissão com baixíssimas taxas de mortalidade porque empreenderam a testagem em massa e o distanciamento pessoal.

 

“Se identificado um maior número de pessoas infectadas, em especial, as assintomáticas, pode-se isolar essa pessoa de modo a impedi-la de transmitir o vírus para outros, achatando, assim, a curva. Menos pessoas infectadas no mesmo período de tempo significa menos pressão sobre os sistemas público e privado de saúde, reduzindo gasto e desgastes a longo prazo”, defende.

 

DEMANDAS – Entre os objetivos que constam no Documento de Oficialização de Demanda da FAP-DF constam também:

 

  • – Monitorar a saúde dos profissionais de saúde e da segurança pública;
  • – Ampliar a capacidade geral da SESDF em atendimento à população do DF e realização de diagnóstico da infecção causada pela COVID-19;
  • – Desenvolver tecnologias digitais para o diagnóstico, o tratamento e a prevenção da infecção causada pela Covid-19;
  • – Preparar força de trabalho para atuar no ambiente de saúde digital;
  • – Fomentar a rede cooperativa de ciência e tecnologia da cadeia de inovação digital do DF para o – desenvolvimento de pesquisas tecnológicas de enfrentamento de doenças infectocontagiosas;
  • – Desenvolver atividades de comunicação, publicação e pesquisas para ampliar o grau de informação e bem-estar da comunidade do DF.

PUBLICAÇÃO – O convênio nº 03/2020, firmado entre a Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP-DF) e a Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec), foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quinta-feira (02). O processo nº 00193-00000381/2020-22 foi assinado no dia 31 de março de 2020.

 

 

Jurana Lopes, da Agência Saúde

Fotos: Breno Esaki, da Agência Saúde