Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/06/20 às 18h26 - Atualizado em 23/06/20 às 21h16

DF já vacinou 92,4% do público-alvo da campanha contra o influenza

No total, 867.555 doses foram aplicadas pelas redes pública e privada

 

GUILHERME PEREIRA, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde

A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe já entrou na fase final. Até o momento, as redes públicas e privadas já aplicaram 867.555 doses da vacina contra o vírus influenza. Nas unidades públicas, o número de vacinas aplicadas é de 849.080. A campanha de vacinação está em sua 23ª semana e conta com 128 salas de vacinas distribuídas por todas as regiões do Distrito Federal.

 

A meta estipulada pelo Ministério da Saúde para cobertura vacinal é de 90% da população alvo, índice que foi atingido pelo Distrito Federal na última sexta-feira chegando a 92,4%. Apesar desse avanço, a campanha ainda não atingiu a meta de imunização para os grupos prioritários de crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes e puérperas (mulheres com até 45 dias depois do parto). A Secretaria de Saúde continua convocando as pessoas desses grupos para que procurem uma sala de vacinação mais próxima.

 

Até o último levantamento, crianças de 6 meses a menores de 2 anos tinham 63,6% de cobertura vacinal; crianças de 2 anos a menores de 5 anos tinham 44%; crianças de 5 anos, 54,6%; gestantes, 52,9%; e as puérperas, 60,8% . Todos estão com coberturas vacinais abaixo da meta.

 

O secretário de Saúde, Francisco Araújo, alerta a população do Distrito Federal para a importância da vacinação contra o vírus Influenza. “Estamos no período mais propício para a propagação de doenças respiratórias, e a prevenção, por meio da vacina, é melhor e mais seguro caminho para contermos a propagação de vírus e evitar doenças graves”.

A vacina previne três tipos do vírus Influenza: A (H1N1), A (H3N2) e B. A campanha começou no dia 23 de março. No dia 04 de maio, iniciou-se a terceira fase, tendo em vista a disponibilidade de doses para vacinação do grupo que envolve crianças, gestantes e puérperas. Ainda em maio, pessoas com deficiência, professores da rede pública e privada e as pessoas de 55 a 59 anos de idade foram incluídos.

 

Para aumentar a cobertura vacinal nesses grupos, a Secretaria de Saúde sugeriu às unidades e hospitais da rede algumas medidas de mobilização junto às suas respectivas comunidades. Maternidades públicas também estão aproveitando para vacinar gestantes e puérperas, mas o trabalho ainda não terminou.

 

“Estamos há uma semana para o encerramento previsto da campanha de vacinação contra a Influenza e, embora o Distrito Federal tenha superado a meta de 90% de cobertura vacinal, considerando todos os grupos, esse alcance da cobertura não ocorreu de forma homogênea, sendo que os grupos prioritários das crianças, das gestantes e das puérperas ainda não atingiu a meta preconizada. Ressaltamos a importância desses grupos estarem devidamente vacinados, com a finalidade de evitar as complicações, internações e óbitos em decorrência da influenza”, explica a enfermeira da Área Técnica de Imunização, Fernanda Ledes.

 

“Pedimos aos pais e responsáveis das crianças menores de 6 anos de idade que levem seus filhos às unidades básicas para receberem não só a vacina contra influenza, mas também para atualização da situação vacinal conforme necessário. Da mesma forma, recomendamos que as gestantes e as puérperas, que ainda não foram vacinadas, procurem a UBS e recebam as vacinas preconizadas”, complementou a enfermeira.

 

CONTRAINDICAÇÕES – A vacina é contraindicada para pessoas com histórico de reação anafilática em doses prévias da vacina. Contudo, na maioria dos casos, as vacinas contra influenza têm um perfil de segurança excelente e são bem toleradas.

 

Pacientes que tenham alergia comprovada grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados podem receber a vacina, contanto que ela seja administrada em ambiente hospitalar. Para pessoas acamadas e acima dos 60 anos, é possível fazer um agendamento para que a imunização seja providenciada em domicílio. A solicitação pode ser feita pelo telefone 160, ou na unidade básica de saúde (UBS) de referência do domicílio da pessoa acamado.