Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/10/19 às 13h19 - Atualizado em 11/10/19 às 13h21

Dia Mundial da Obesidade é celebrado com avanços

COMPARTILHAR

Tratamento é iniciado nas unidades básicas de saúde

 

O hábito de vida dos brasileiros tem mudado ao longo dos últimos anos e tornou-se mais saudável. Este fator é um dos motivos para se comemorar o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade, lembrado nesta sexta-feira (11). No Distrito Federal, a rede pública dispõe de unidades especializadas para este tipo de assistência.

 

Criado em 2017, o Centro Especializado em Diabetes, Obesidade e Hipertensão (Cedoh) é referência no tema. A novidade, no entanto, é que a unidade iniciou, este ano, atendimento em grupos para crianças com obesidade.

 

São 24 meninos e meninas e seus familiares em acompanhamento. Um dos pacientes é o Moisés Almeida (13), autista, ele tinha compulsão por comida e pesava 84 kg.

 

“Ele ainda mantém este mesmo peso, mas já conseguimos fazer com que ele não coma toda hora, sem parar, graças ao acompanhamento das profissionais do centro. Eu só tenho a agradecer, ainda mais porque eu encontro todos os médicos em um mesmo lugar, sem precisar andar com meu filho por várias unidades”, comemora a mãe de Moisés, Erilene Gomes.

 

 

O peso do garoto, após quatro meses de acompanhamento, continua inalterado, pois o primeiro passo não é a perda de peso, mas o controle da ansiedade e da ompulsão alimentar. A partir de agora, a nutricionista entrará em ação, estabelecendo uma dieta voltada à perda dos quilos extras.

 

DADOS  De acordo com a mais recente Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde, 570 mil pessoas são obesas no Distrito Federal. Isto equivale a 19% da população, se considerada a proporção em 3 milhões habitantes.

 

Conforme detalha a pesquisa, a prevalência de obesidade e excesso de peso deu uma estagnada nas capitais do país e brasileiros já demonstram hábitos mais saudáveis.

 

O estudo apontou que a população está melhorando os hábitos de vida. O consumo regular de frutas e hortaliças, por exemplo, aumentou 4,8% entre 2008 e 2017.

 

A prática de atividade física, por sua vez, se popularizou e aumentou 24,1% entre os anos de 2009 e 2017. Já o consumo de refrigerantes e bebidas açucaradas caiu 52,8% entre 2007 e 2017.

 

Os dados de alerta, no entanto, permanecem e servem para conscientizar as pessoas. Segundo a Vigitel, quase um em cada cinco brasileiros (18,9%) é obeso. O excesso de peso acomete mais da metade dos moradores das capitais brasileiras, com exatos 54 pontos percentuais.

 

ATENÇÃO – “Desde 2011, houve uma determinação para os estados implementarem ações destinadas a prevenir a obesidade. No DF, temos uma linha de cuidados para sobrepeso e obesidade e três regiões de saúde possuem serviços especializados”, destaca a gerente do Cedoh, Alexandra Rubim Camara Sete.

 

O atendimento no centro é destinado a pessoas com o índice de massa corporal (IMC) de 34 a 49.9, com comorbidades. Para receber a assistência, o paciente ou responsável por ele deve buscar a unidade básica de saúde (UBS) mais próxima da residência para ser avaliado e encaminhado ao tratamento especializado, se necessário.

 

“Temos aproximadamente 50% de sucesso no tratamento e conseguimos reduzir de 5% a 10% do peso inicial. Esses pacientes ainda vão sair obesos após o nosso acompanhamento, mas estarão metabolicamente saudáveis e orientados”, complementa Alexandra.

 

Segundo a especialista, a assistência é prestada na unidade por um período de dois anos. Após esse prazo, quando estão mais saudáveis, os pacientes são direcionados às UBS, indicados à cirurgia bariátrica ou ao acompanhamento de um endocrinologista da Atenção Secundária – dependendo de cada caso.

 

“Nesta data, temos avanços a comemorar. Criamos um olhar diferenciado e sabemos que a obesidade é uma doença crônica, de causas multifatoriais. Temos trabalhado para que os profissionais tenham esse olhar”, conclui Alexandra.

 

 

 Fábio Magalhães e Alline Martins, da Agência Saúde

Fotos: Freepik

 

Leia também...