Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/02/13 às 19h07 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Ações para reduzir casos de câncer no DF

Mulheres com lesões suspeitas são chamadas para tratamento

O Dia Mundial do Câncer é celebrado todo dia 4 de fevereiro por diversos países. Instituída em 2005, a data procura estimular ações para evitar mortes prematuras por câncer por meio do aumento da consciência e educação sobre a doença. A intenção é incentivar os indivíduos, sociedade civil e governos a desenvolver ações visando a redução dos números de câncer.

Segundo o Instituo Nacional do Câncer (Inca), a doença é a principal causa de morte em todo o mundo, provocando 7,6 milhões de mortes em 2008. Estima-se que um terço dessas ocorrências poderiam ter sido evitadas com mais prevenção, com detecção precoce e os tratamentos existentes.

Ações buscam reduzir novos casos no DF
A Secretaria de Saúde do Distrito Federal oferece diagnóstico precoce para câncer de colo do útero e de mama por meio de programas de rastreamento – exame Papanicolau e mamografia. A rede passou, recentemente, a chamar todas as mulheres com lesões suspeitas para tratamento especializado. “Esse programa vai mudar a história do câncer feminino no DF”, afirma a coordenadora de Câncer da SES, Cristina Scandiuzzi.

O diferencial está no tratamento de câncer de colo de útero. Desde outubro, as mulheres que apresentaram alterações no exame preventivo (Papanicolau) estão sendo procuradas pela rede de saúde e encaminhadas para consulta médica especializada. “No próprio consultório, essas pacientes passam por procedimento que, na maioria dos casos, impede que as lesões progridam”. Essa consulta ocorre em no máximo 20 dias após a coleta do exame. Assim, espera-se uma redução drástica na mortalidade nos próximos três anos. “A expectativa é que a gente não tenha mais óbitos desse tipo”, ressalta a médica.

Hoje existem cerca de cinco mil pessoas em tratamento contra o câncer no DF: 2.734 fazem quimioterapia, e 1.600, radioterapia. Outros 2.449 são submetidos à hormonioterapia. Muitos pacientes fazem mais de um tratamento.

Para o câncer de mama, a SES organiza a rede para ampliar a assistência. “Vamos regular as consultas com médicos especialistas a partir de alterações registradas pela mamografia ou exames clínicos”, ressalta Cristina Scandiuzzi. Com isso, as pacientes terão prioridade no agendamento de consultas.

A Secretaria de Saúde dispõe atualmente de nove mamógrafos e ainda oferece os serviços da Unidade Móvel de Saúde da Mulher, que desde março de 2012 realizou cerca de oito mil exames. No mesmo período, a “Carreta da Mulher” também fez exames preventivos e ecografias, totalizando 30 mil procedimentos em 17 localidades do DF.

Os tratamentos contra o câncer que envolvem radioterapia e quimioterapia são oferecidos nos hospitais de Base, Regional de Taguatinga e Universitário. Outros hospitais regionais realizam cirurgias oncológicas. Atualmente não existe espera para iniciar radioterapia. Para a quimioterapia é preciso aguardar cerca de 30 dias para marcar a primeira consulta. 

O Ministério da Saúde recomenda o exame preventivo do câncer de colo de útero às mulheres entre 25 e 64 anos. Os médicos alertam, porém, que esse exame deve ser feito no início da vida sexual, independentemente da idade. “Esse tipo de tumor é altamente relacionado ao HPV (papilomavírus humano), que é transmitido sexualmente”, enfatiza Cristina.

Este ano, SES prevê melhorias no tratamento do câncer. Dois novos aceleradores lineares (para radioterapia) serão incorporados à rede. Um deles tem sistema de planejamento tridimensional, o que torna o tratamento mais preciso. Também será adquirido um equipamento de braquiterapia – uma forma de radioterapia na qual a fonte de radiação é colocada no interior ou próxima ao corpo do paciente em tratamento de câncer de útero ou próstata -, além de um mamótomo, que faz biopsia de lesões da mama com anestesia local.

A quimioterapia também está recebendo investimentos. Após reformas no Hospital de Base, o serviço, transferido temporariamente para o HRT, retorna ao seu local de origem. Um novo serviço será inaugurado em Taguatinga com 20 novas vagas.

Número de casos – Estimativas para o ano de 2012 de número de casos novos de câncer, segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), apontam que os tumores mais prevalentes no DF são o de pele não melanoma (2.570), seguido pelo de próstata, com 900 casos. Em terceiro lugar aparece o câncer de mama com 880 casos, em seguida vem o de colo de útero (330) e o de pulmão e traqueia, com 320 casos ao longo do ano.
10 dicas para se proteger do câncer

Mudanças simples no estilo de vida podem reduzir o risco de câncer. Confira as dicas do Inca:

Não fume! Essa é a regra mais importante para prevenir o câncer. Ao fumar, são liberadas no ambiente mais de 4.700 substâncias tóxicas e cancerígenas que são inaladas por fumantes e não fumantes. Parar de fumar e de poluir o ambiente fechado é fundamental para a prevenção do câncer.

Alimentação saudável pode reduzir muito o risco de câncer. Coma mais frutas, legumes, verduras, grãos e cereais integrais, leite e derivados desnatados, e menos alimentos gordurosos, salgados e enlatados. Sua dieta deve conter, diariamente, pelo menos cinco porções de frutas, verduras e legumes. Evite frituras, salgadinhos, carne de porco, carne vermelha com gordura aparente, pele de frango, embutidos, como linguiça, salsicha e salame, e gordura hidrogenada. Apesar de o azeite ser um tipo de gordura mais saudável, não deve ser exposto a altas temperaturas. Prefira alimentos cozidos e assados.

Faça 30 minutos diários de atividade física, leve ou moderada. A atividade física protetora consiste na iniciativa de se movimentar, de acordo com a rotina de cada um. Você pode, por exemplo, trocar o elevador pelas escadas, levar o cachorro para passear, cuidar do jardim, varrer a casa, caminhar ou dançar. Já está comprovado que estar acima do peso aumenta as chances de uma pessoa desenvolver câncer. Por isso, é importante controlar o peso por meio de uma boa alimentação e manter-se ativo.

As mulheres com idade entre 25 e 64 anos devem realizar exame preventivo ginecológico. Após dois exames normais seguidos, deverá realizar um exame a cada três anos. Para os exames alterados, deve-se seguir as orientações médicas.

As mulheres com 40 anos ou mais devem realizar o exame clínico das mamas anualmente. Aquelas que estiverem entre 50 e 69 anos devem realizar ainda a mamografia a cada dois anos. Esses exames devem ser feitos mesmo que a mulher não perceba nenhum sintoma. Se uma pessoa da família – principalmente a mãe, irmã ou filha – teve esta doença antes dos 50 anos de idade, a mulher tem mais chances de desenvolver um câncer de mama. Quem já teve câncer em uma das mamas ou câncer de ovário, em qualquer idade, deve ficar mais atenta. Nestes casos, a partir dos 35 anos, o exame clínico das mamas e a mamografia devem ser feitos uma vez por ano.

Evite ou limite a ingestão de bebidas alcóolicas. Os homens não devem tomar mais do que duas doses por dia, enquanto as mulheres devem limitar este consumo a uma dose. Isso corresponde a um copo de cerveja ou a uma taça de vinho. É recomendável que mulheres e homens, com 50 anos ou mais, realizem exame de sangue oculto nas fezes a cada um ou dois anos.

Evite exposição prolongada ao sol entre 10h e 16h, e use sempre proteção adequada, como chapéu, barraca e protetor solar. Se for inevitável a exposição ao sol durante a jornada de trabalho, use chapéu de aba larga, camisa de manga longa e calça comprida.

Faça diariamente a higiene oral (escovação dos dentes e da língua) e consulte o dentista regularmente.

Celi Gomes