Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/09/21 às 16h30 - Atualizado em 1/09/21 às 17h24

Educação, carinho e cuidado marcaram eventos do Agosto Dourado

COMPARTILHAR

Campanha destaca a importância do aleitamento materno e incentiva as políticas de saúde ligadas à amamentação

 

HUMBERTO LEITE I EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA I DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

Encerrado oficialmente em 31 de agosto, a campanha Agosto Dourado foi marcada pelo incentivo à amamentação e na importância que o leite humano tem para a saúde dos bebês. As unidades básicas de saúde da Região Sudoeste promoveram eventos alusivos à campanha, durante todo o mês, e na última terça-feira (31). Ao todo, mais de 700 mulheres participaram das ações.

 

Pacientes da Atenção Primária participaram de diversas ações na Região de Saúde Sudoeste em prol da amamentação – Foto: Divulgação/SES-DF

“Este tipo de evento aproxima a comunidade dos serviços do SUS. É o momento propício para criar vínculos entre usuários e equipes de saúde, orientar sobre a nossa carteira de serviços, estimular a participação da família para hábitos saudáveis e, consequentemente, evitar doenças”, explica Cleunici Ferreira, diretora da Atenção Primária da Região de Saúde Sudoeste.

 

Os eventos realizados nas UBSs reuniram gestantes ou lactantes para rodas de conversa, momentos educativos, troca de experiências e promoção da importância do aleitamento materno. “Estas ações e envolvimento da comunidade, trabalhadores e usuários demonstram que é possível fazermos um SUS que atenda a necessidade da nossa população local, fortalecendo essa relação de vínculo e promovendo ações que refletem na qualidade de vida”, completa a diretora.

 

“Todo dia nasce uma nova mãe”

 

Apesar de o Agosto Dourado ter se destacado pelo grande número de ações, ao longo de todo o ano as equipes da Secretaria de Saúde trabalham com o incentivo ao aleitamento materno, e a saúde de mães e dos bebês. “Todo dia tem uma nova gestante, todo dia nasce uma nova mãe, mesmo que ela já tenha tido outros filhos, porque cada gestação é uma gestação, cada filho é único”, afirma Miriam Santos, coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano do DF.

 

O aleitamento materno deve ser promovido durante todo o ano – Foto: Divulgação/SES-DF

Em 2021, em meio à pandemia, o destaque ficou para a criatividade das unidades de saúde, que realizaram tanto eventos on-line quanto presenciais, de forma a reunir o maior número possível de participantes. Somente o evento on-line realizado em 2 de agosto contou com a participação de mais de 670 inscritos, inclusive de outras regiões do Brasil e do exterior.

 

Vacina natural

 

De acordo com Miriam Santos, o aleitamento pode reduzir o índice de mortalidade infantil em até 13%. O leite humano possui fatores de proteção capazes de combater essas infecções, uma vez que o alimento possui milhões de células, incluindo vários tipos de células de defesa, que se modificam para combater determinada infecção no organismo da criança.

 

É por isso que o leite humano é considerado uma vacina no organismo da criança. O equilíbrio perfeito de gorduras, carboidratos e proteínas na medida exata para fortalecer o sistema imunológico do bebê, beneficiando o seu crescimento saudável. O líquido gerado pela mãe auxilia no crescimento e desenvolvimento e fortalece o vínculo materno – um dos aspectos mais importantes para o recém-nascido prematuro.

 

Rodas de conversa, palestras e incentivo à amamentação marcaram a campanha 2021 – Foto: Divulgação/SES-DF

E são os prematuros que requerem uma atenção especial, principalmente quanto à amamentação. Crianças que nascem antes de completar 37 semanas de gestação são consideradas prematuras, e a amamentação para elas é essencial pois, oferecida de forma exclusiva, diminui significativamente a incidência e a gravidade de algumas doenças específicas, que só ocorrem nessa fase da vida do bebê.

 

Para todas as crianças, o leite materno deve ser o alimento exclusivo até os 6 meses de idade.

 

Bancos de Leite

 

Para garantir o acesso ao alimento, especialmente para os bebês cujas mães têm dificuldade na produção, ou que estão internados em UTIs, existem os Bancos de Leite Humano. No Distrito Federal são dez em funcionamento, além de três postos de coleta de leite. Até o mês de julho, foram arrecadados 10.889,7 litros de leite. Em 2020, no mesmo período foram arrecadados 17.976,1.