Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/12/17 às 15h01 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Emoção marca abertura da I Mostra de Experiências Inovadoras do SUS DF

COMPARTILHAR

Os 193 trabalhos selecionados começam a ser expostos. Premiação será entregue nessa quarta-feira (6)

BRASÍLIA (5/12/17) – Um auditório lotado com cerca de 500 pessoas. Servidores e gestores satisfeitos. Discursos cheios de orgulho. Assim foi a abertura da I Mostra de Experiências Inovadoras no SUS do Distrito Federal, na manhã desta terça-feira (5). O evento terá duração de dois dias – hoje e amanhã -, com apresentações de 193 projetos selecionados entre 575 inscritos, todos da rede pública de saúde do DF. 

Uma das idealizadoras da mostra, Heloisa Machado de Souza, contou, emocionada, como tudo começou e revelou ter ficado surpresa com a quantidade de inscritos no projeto. “Abrimos o edital em 1º de setembro e tínhamos 40 dias para as inscrições dos trabalhos. Nossa expectativa, no melhor dos mundos, era de receber pouco mais de 200 inscrições. Nos assustamos quando chegou o dia 10 de outubro e as inscrições não paravam. Comemoramos 575 inscrições, como prova de que os servidores acreditaram em nossa proposta”, ressaltou.

Ela destacou que o evento destes dias 5 e 6 de dezembro é resultado do esforço de uma grande equipe. “Apesar do cenário de crise que vivemos, por uma série de problemas e condições adversas, temos experiências que precisam ser mostradas e compartilhadas. A maioria dos nossos servidores está comprometida em levar o melhor atendimento à população”, frisou Heloisa.

O objetivo da mostra é justamente este: dar visibilidade às experiências inovadoras do SUS/DF e estimular a transferência de tecnologias entre as regiões de saúde, as unidades de referência distritais de saúde, a administração central, voluntariado e organizações não governamentais, os conselhos de saúde e entidades vinculadas à Secretaria de Saúde.

a primeira-dama e colaboradora do Governo de Brasília, Márcia Rollemberg
Presente à abertura, a primeira-dama e colaboradora do Governo de Brasília, Márcia Rollemberg, destacou a importância de eventos como este. “Vi várias iniciativas de saúde sendo reconhecidas no Inova (Brasília). Esperamos o mesmo na Mostra. E que a gente possa institucionalizar algumas dessas práticas”, destacou.

Para o secretário de Saúde, Humberto Fonseca, a Mostra de Experiências Inovadoras revela que o SUS é bom. “Protegemos o SUS com iniciativas dessa natureza, investindo em fazer diferente do que hoje é feito”, destacou.

EVENTO – Logo após a abertura oficial da mostra, houve a conferência inaugural com Rafael Bengoa, co-diretor do Instituto de Saúde e Estratégia, de Bilbao, Espanha. O médico, com formação em medicina de família, falou sobre os desafios e soluções contemporâneas para a sustentabilidade dos sistemas universais de saúde e respondeu a perguntas, como a do secretário Humberto Fonseca, sobre a mudança do modelo de atenção primária.

“Apesar da crise econômica e das dificuldades financeiras, vivemos o melhor momento para mudar o modelo de atendimento de saúde. Porque temos recursos humanos e novas ferramentas tecnológicas. Sem saúde da família, não é possível mudança”, disse Bengoa.

Rafael Bengoa, co-diretor do Instituto de Saúde e Estratégia

Durante a tarde desta terça-feira (5) e na manhã dessa quarta-feira (6) serão feitas as apresentações dos trabalhos selecionados. Amanhã haverá, às 11h, uma mesa de diálogos com os gestores do SUS, com os secretários de Saúde do DF e de Florianópolis, com o superintendente do Hospital da Criança e com o superintendente do Hospital Universitário de Brasília. À tarde, um momento com a Universidade Holística Internacional de Brasília.

PREMIAÇÃO – Dos 575 projetos inscritos, todos já em desenvolvimento na Secretaria de Saúde, 558 foram validados, sendo que 193 foram classificados para serem apresentados e concorrerem a premiações em dinheiro e a viagens. O resultado será divulgado em solenidade nessa quarta-feira (6), às 15h.

Os trabalhos foram divididos em sete categorias: Atenção primária à saúde e vigilância em saúde; Regionalização e conformação das redes de atenção à saúde; Regionalização e aplicação das ferramentas de planejamento; Participação social; Gestão do trabalho e da educação em saúde no âmbito do SUS no DF; Desenvolvimento e aplicação de tecnologias para qualificação da assistência e da gestão do SUS DF; além de Voluntariado e parcerias com organizações não governamentais.

Os três primeiros colocados em cada categoria receberão prêmios em dinheiro, de R$ 1,7 mil, R$ 1,5 mil e R$ 1 mil para primeiro, segundo e terceiro lugares, respectivamente. Os recursos para pagamento do prêmio, doados pela Federação das Indústrias do DF (Fibra), deverão ser utilizados pela equipe responsável pela execução da experiência premiada.

Heloisa Machado de Souza, uma das idealizadoras da mostra

“Haverá, ainda, um prêmio especial, para a experiência inovadora e sustentável em alimentação e nutrição. Foram selecionados 67 projetos dentre os 558 projetos validados”, destacou Heloisa. A premiação será concedida pelo Centro de Excelência de Combate à Fome da Organização das Nações Unidas (WFP/ONU).

PROJETOS – Entre os programas selecionados, está o Papo de Saúde, desenvolvido pela Assessoria de Comunicação da Secretaria de Saúde. Trata-se de uma ferramenta que permite a todos os servidores apresentar suas propostas no sentido de solucionar problemas e melhorar processos, em sua área ou de forma geral, para aprimorar a qualidade do atendimento da saúde prestado à população.

“O programa valoriza e reconhece os servidores. É você poder dar uma ideia para melhorar seu ambiente de trabalho ou qualquer outra área. O programa permite identificar habilidades e competências em servidores que podem estar subutilizados”, destaca um dos idealizadores do Papo de Saúde, Marcos Capitani.

Outra proposta concorrente é o aplicativo Amamenta Brasília, criado numa tentativa de aumentar a quantidade de doadoras de leite materno cadastradas nos bancos de leite humano. “O aplicativo ajuda na rota de coleta, entrega de pote e apontamento da mãe de pote cheio. Muitas vezes o bombeiro perdia sua viagem por falta de comunicação com a mãe e agora isso não vai mais acontecer. Com menos de um ano de lançamento, já temos 598 cadastros ativos”, explica a servidora e uma das idealizadoras do projeto, Érika Bragança.

Coordenadora dos bancos de leite humano da Secretaria de Saúde do DF, Miriam Santos, diz estar com boas expectativas pelo prêmio. “Acreditamos no nosso trabalho, mas sabemos que os outros inscritos também são muito bons. Com o aplicativo, buscamos uma nova forma de comunicação e assim alcançar um número maior de mulheres. Ainda hoje, mesmo com o telefone, o site e todo trabalho de comunicação, ainda há mulheres que dizem não doar por não saberem como fazer. O aplicativo vai ajudar”, comentou.

Entre os outros projetos selecionados, há trabalhos nas áreas de odontologia, nutrição, farmácia, boas práticas em unidades básicas de saúde, entre outros. Para assistir as apresentações, foram inscritos 390 servidores, voluntários e usuários do SUS, além de 150 gestores entre subsecretários, superintendentes, diretores e gerentes de unidades e áreas da Secretaria de Saúde.

Veja mais fotos.