Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/11/13 às 11h26 - Atualizado em 30/10/18 às 15h09

Endometriose: principal causa da infertilidade nas mulheres

COMPARTILHAR

SES orienta a procurar um médico em caso de suspeita

Entre sete e dez milhões de mulheres sofrem de endometriose no Brasil, doença que é a principal causa de infertilidade no sexo feminino. A endometriose é uma doença caracterizada pela presença de endométrio fora do útero. O endométrio é a camada que reveste internamente a cavidade uterina e é renovado mensalmente por meio da descamação durante o fluxo menstrual. Muito frequente, acomete de 10 a 15% das mulheres em idade reprodutiva, e aproximadamente de 35% a 50% das inférteis.

Em algumas situações, o endométrio, ao invés de ser eliminado volta pelas trompas, alcança a cavidade pélvica e abdominal, gerando a endometriose. A doença pode acometer também os ovários, as tubas e outros órgãos como o intestino e a bexiga.

As células do endométrio, na pelve, vão funcionar de forma semelhante as que estão revestindo o útero. Isso quer dizer que elas vão menstruar também e, é essa menstruação no lugar errado que é responsável por grande parte dos sintomas da doença.

Para a chefe da obstetrícia do hospital de Planaltina, a ginecologista Sabrina Irene Gadelha, a endometriose é uma doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva, e entre os principais sintomas estão a dor pélvica, o sangramento irregular que pode levar a infertilidade.

A endometriose manifesta-se por meio dos seguintes sintomas: cólica menstrual, infertilidade, dor na relação sexual, alterações no intestino na época da menstruação, como diarreia, intestino preso, sangramento anal, alterações na bexiga e vias urinárias percebidas pelo aumento no volume das micções, dor ao urinar ou sangramento na urina, dor contínua, independente da menstruação.

Segundo Sabrina, sua causa ainda é desconhecida e o tratamento proposto são medicamentos para a dor, anticoncepcionais e cirurgia como definitivo.

Entretanto, o exame padrão para a definição do diagnóstico é a ressonância magnética. Uma vez confirmadas as suspeitas, pode-se seguir para a videolaparascopia, uma pequena cirurgia que permite identificar o tamanho, extensão e local de acometimento das lesões a fim de escolher o tratamento adequado para cada caso. O método mais indicado dependerá da extensão da doença, assim como da idade da paciente e de seus planos reprodutivos.

Caso tenha suspeita da doença procure o Centro de Saúde mais próximo, e marque uma consulta com o ginecologista para uma avaliação clínica. Em Planaltina são cinco centros de saúde que conta com ginecologistas, que caso confirme a doença, indicarão qual o tratamento adequado.

Leia também...