Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/03/17 às 20h38 - Atualizado em 30/10/18 às 15h16

Escs realiza acolhimento dos médicos residentes de 2017

COMPARTILHAR

Ao todo, 420 médicos de várias especialidades participaram da ação

BRASÍLIA (3/3/17) – A Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) realizou, até esta quinta-feira (2), o acolhimento de 420 médicos residentes que irão iniciar sua formação como especialistas em diversas áreas e atuarão no âmbito da rede pública de saúde da capital. Atualmente, a pasta conta com 901 médicos residentes em formação.

Os encontros aconteceram no auditório da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (Fepecs). No último dia, foi reunido um grupo de 26 médicos residentes em rede das áreas de Medicina de Família e Comunidade, Cirurgia Geral, Anestesiologia, Medicina Paliativa e Psiquiatria da Infância e Adolescência. Esta residência está em seu segundo ano.

“O objetivo da residência em rede é formar especialistas em medicina com visão crítico-reflexiva, que busquem proporcionar atendimento integral e de qualidade ao paciente, nos diferentes níveis de atenção do Sistema Único de Saúde [SUS]”, destacou a gerente do Núcleo de Residência da ESCS, Vanessa Campos.

SOLENIDADES – O evento contou com a participação do presidente do Conselho Regional de Medicina do DF, Jairo Zapata. Na ocasião, ele reforçou a importância de se fazer uma medicina mais séria e forte voltada para a população carente.

“É importante que vocês sejam conscientes de que a medicina se aprende com a dificuldade e que, nós médicos, fazemos a diferença oferecendo uma melhor perspectiva no que tange à dor e ao sofrimento dos pacientes. Devemos atender com dedicação e educação. O papel do CRM é fiscalizar a boa prática da medicina”, ressaltou o profissional.

A residência na capital teve início ainda na década de 60 e se tornou referência no país. O programa de residência da Secretaria de Saúde é executado totalmente pela pasta, contanto com uma rede de apoio, entre associações, conselhos, supervisores, coordenadores e gerência.

PROGRAMA – Os anos de formação variam de 2 a 5 anos, dependendo da especialidade. A Residência Médica é regulada pelo Ministério da Educação (MEC) e, por isso, segue suas diretrizes e normas. Os residentes contam com uma bolsa auxílio no valor de R$3.330 e auxílio moradia de R$ 999.

RESIDENTES – A maior parte dos residentes da rede vêm de outras partes do país. Para a gerente do Núcleo de Residência da ESCS, isso reforça o papel do Distrito Federal, pois contribui para a formação de especialistas que atuarão no SUS de todo o Brasil. Este é o caso da médica Bruna Andrade, 28 anos, de Minas Gerais.

“A residência da Secretaria de Saúde sempre foi referência e, felizmente, passei no processo de seleção e serei residente do Hospital da Ceilândia na especialização de três anos em ginecologia e obstetrícia. O objetivo é continuar a formação depois dessa em mastologia”, disse Bruna.

Egressos da turma 11 da ESCS, formados no ano passado, também conquistaram sua vaga na seleção 2017. Os novos residentes em cirurgia geral e ortopedia, Landwehrner da Silva, 25 anos, e Clarissa Santana, 23 anos, respectivamente, afirmam que a Escs preparou os dois para a nova etapa profissional.

“Além de termos dedicado algumas horas diárias de estudo para esta seleção, os dois últimos anos de formação na graduação, no internato, foram fundamentais para a realização com sucesso da prova de residência. Estamos animados e felizes com mais essa conquista”, apontou Clarissa.

Leia também...