Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/03/16 às 17h30 - Atualizado em 30/10/18 às 15h14

Pacientes entre 15 e 26 anos ganham ambulatório de transição no Base.

COMPARTILHAR

Objetivo é oferecer tratamento especial a jovens com algum tipo de alteração hormonal

BRASÍLIA (23/03/2016) – Quando uma pessoa apresenta alguma alteração na produção de hormônios, o endocrinologista é o médico indicado para cuidar desse tipo de caso. O que muitos não sabem é que além dos especialistas nessa área para crianças e adultos, a fase intermediária – entre 15 e 26 anos – também precisa ser assistida. Para isso, o Hospital de Base do DF criou o ambulatório de transição, que tem como objetivo tratar as peculiaridades dessa faixa etária.

“A dificuldade que tínhamos antes é que o paciente após passar pelo endocrinopediatra entrava direto no setor endócrino adulto, ou seja, existia uma fase do tratamento que ficava desassistida”, explica a responsável pelo ambulatório, Adriana Cláudia Lopes Carvalho Furtado. Segundo ela, é nesse período que são necessárias doses muitas vezes maiores ou menores de hormônios, diagnósticos ignorados podem  prejudicar o tratamento.

Um exemplo de que a continuidade do tratamento na fase intermediária é necessária pode ser analisado no caso do estudante de Teologia, Michael Ataliba Cruz de Andrade, 25 anos. “Entre os 15 e 17 anos, ele precisou de uma dose maior de hormônio tiroidiano, fato que não seria levado em consideração se ele não tivesse passado pelo ambulatório de transição”, ponderou a doutora Adriana Furtado.

Desde os 12 anos de idade sendo paciente na área de endocrinologia do Hospital de Base, o estudante foi diagnosticado com Hipopituitarismo, que é a deficiência de dois hormônios – o de crescimento e do TSH. “Acho de extrema importância esse local porque continuamos com essa supervisão do médico durante o desenvolvimento do estado clínico, período onde pode haver necessidade de intercorrências”, avalia Michael.

Esse trabalho começou no início do ano passado quando foi verificada que as crianças que tinham alta da endocrinologia pediátrica ficavam perdidas na rede, pois ainda não se encaixavam no setor adulto. As marcações de consultas são feitas pelo sistema de regulação do hospital, localizado na Divisão de Documentação e Informação (DDI).

Confira as fotos aqui: