Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/04/13 às 21h42 - Atualizado em 30/10/18 às 15h04

Grupo discute ações de combate à dengue na Regional Centro-Norte

A 1ª reunião do Grupo Executivo Intersetorial de Gestão do Plano Regional de Prevenção e Controle da Dengue (GEIPLANDENGUE), da Regional Centro-Norte, foi realizada nessa sexta-feira (19), no auditório do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN). O objetivo foi apresentar cada membro de seu respectivo órgão e implementar ações em conjunto no combate à dengue.

Participaram do encontro representantes das Secretarias de Saúde e Educação, Agência de Fiscalização do DF (AGEFIS), Serviço de Limpeza Urbana, Administração Regional do Lago Norte, Administração Regional do Varjão, além dos Conselhos de Saúde de Brasília e do Cruzeiro. A reunião contou ainda com a presença do diretor do HRAN, Valdir Nunes, da Diretoria Regional de Atenção Primária à Saúde e de gerentes de Centros de Saúde.

Segundo o assessor de Mobilização de Dengue da SES/DF, Ailton Domício, esse encontro é em cumprimento ao Decreto nº 34.162, de 22 de fevereiro de 2013, que institui o Comitê Interinstitucional da Dengue e redefine a composição dos Grupos Executivos Intersetoriais de Gestão do Plano Regional de Prevenção e Controle da Dengue.

“Queremos dar continuidade ao processo de descentralização das ações de prevenção e de mobilização, no sentido de que a Coordenação Geral de Saúde planeje essas ações no âmbito de sua área de abrangência. Ninguém melhor do que os próprios profissionais para conhecer melhor seus problemas, suas comunidades e as estratégias”, explica Ailton. De acordo com o assessor, o GEIPLANDEGUE pretende estruturar nas Coordenações Regionais de Saúde os grupos intersetoriais.

Região Centro-Norte
“Trata-se de uma área bem diferenciada pela característica de sua comunidade, pelo nível socioeconômico, cultural e pela própria urbanização. Ela não apresenta os mesmos problemas que outras cidades”. Segundo Ailton, devido ao poder aquisitivo ser elevado, a maior parte da população dessa regional procura assistência médica particular, o que não permite um diagnóstico mais concreto.

O Lago Norte foi uma das regiões mais discutidas pelo grupo. “Essa Região Administrativa possui imóveis com área física extensa, inúmeros terrenos desocupados e, por essa especificidade acaba sendo um local de maior risco. Essa é uma característica particular dessa RA que o GEIPLANDENGUE precisa trabalhar e definir as estratégias”, conclui Ailton. Dados do Informe Epidemiológico de abril de 2013 apontam que, no Lago Norte, 28 casos foram notificados e 19 confirmados.

Patrícia Kavamoto