Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/01/18 às 16h51 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Hanseníase pode ser tratada em qualquer unidade de saúde

Janeiro é o mês para conscientização sobre a doença

BRASÍLIA (18/1/18) – O último domingo de janeiro — neste ano, dia 28 — é o Dia Nacional de Combate e Prevenção à Hanseníase. Além disso, por ser de conscientização sobre a doença, o mês recebe o apelido de Janeiro Roxo.

No Distrito Federal, a Secretaria de Saúde reforça que o diagnóstico e o tratamento podem ser feitos em qualquer unidade da rede pública.

Segundo a dermatologista da pasta Janaína Amorim, da equipe de Vigilância Epidemiológica em Hanseníase, a média dos últimos sete anos tem ficado estável, com cerca de 200 casos anuais. No ano passado, 217 pessoas foram diagnosticadas com a enfermidade em Brasília.

Também conhecida como lepra, a hanseníase é transmitida pela bactéria Mycobacterium leprae e pode atingir pessoas de qualquer idade, homens e mulheres.

Para haver contaminação, esclarece Janaína, é preciso ter um contato íntimo e prolongado com a pessoa infectada que ainda não esteja em tratamento — assim que os cuidados para a cura começam, a bactéria para de evoluir e de ser contagiosa.

Por isso, o diagnóstico precoce é fundamental. “Temos de fazer o monitoramento na rede de pessoas que convivem com aquelas com hanseníase”, informa a médica.

TRATAMENTO PRECISA SER FEITO POR COMPLETO – Para descobrir se há infecção, é necessário um exame minucioso no corpo do paciente. A pessoa pode também fazer o autoexame e procurar por manchas nas costas, atrás da orelha e nas nádegas, entre outras partes.

O tratamento leva de seis meses a um ano, em geral. Janaína ressalta que o paciente não deve abandonar o tratamento na metade, porque a bactéria pode desenvolver resistência ao medicamento.

HANSENÍASE É SILENCIOSA E DEMORA A SE MANIFESTAR – A doença é silenciosa e pode demorar de dois a cinco anos para apresentar os sintomas iniciais.

“Na primeira mancha, não sabia o que era, aí fui perdendo a sensibilidade. Se eu tivesse tratado logo, teria feito a diferença”, conta um paciente da unidade básica de saúde do Núcleo Bandeirante que prefere não se identificar.

As perdas de sensibilidade em quem tem hanseníase são térmicas, dolorosas e táteis e podem ser percebidas em ações do cotidiano

Ele tem 43 anos, trabalhava com ferragem e teve de se aposentar por invalidez depois de contrair a doença.

Quando as primeiras manchas esbranquiçadas começaram a aparecer no braço, o homem pensou que pudesse ser pano branco — um tipo de micose — e esperou passar.

Demorou cerca de dois anos para ser diagnosticado. Já havia perdido o movimento de fechar a mão e de movimentar os dedos.

As perdas de sensibilidade em quem tem hanseníase são térmicas, dolorosas e táteis e podem ser percebidas em ações do cotidiano. “Você está andando, e o chinelo fica”, exemplifica o paciente do Núcleo Bandeirante.

Também é comum que as pessoas se queimem no fogão sem que percebam. “Eu evito ficar perto do fogo e de locais em que possa me cortar, porque não sinto.”

Veja a galeria de fotos.