Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
15/01/15 às 9h08 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Hospital da Criança tem equipamento moderno no tratamento de leucemias

COMPARTILHAR

Estudo molecular de células da medula óssea ajuda no tratamento

BRASÍLIA (15/01/2015) – O Hospital da Criança José de Alencar vem inovando o tratamento das leucemias, por meio de um laboratório de biologia molecular, que tem como objetivo melhorar o diagnóstico e o monitoramento do câncer mais comum na faixa etária infanto-juvenil, as leucemias agudas.

Em pouco mais de um ano de funcionamento, foram analisadas, diagnosticadas e monitoradas amostras de cerca de 50 crianças. Para a coordenadora do serviço de Oncologia e Hematologia Pediatra da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Isis Quezado Magalhães, a resposta ao tratamento é um fator prognóstico importante e ajuda a adaptação para cada paciente.

“As leucemias são classificadas em vários subtipos distintos, caracterizados por anormalidades genéticas moleculares distintas das células leucêmicas. Reconhecer e diagnosticar com precisão cada subtipo proporciona adaptação de tratamento, bem como monitorar a resposta biológica da leucemia”, analisa a coordenadora, ao destacar a importância do laboratório no monitoramento biológico da leucemia.

No Distrito Federal, a cada ano, são registrados 229 novos casos de câncer infanto-juvenil, sendo a leucemia a de maior frequência. O laboratório de biologia molecular visa à individualização do tratamento. Isso significa a evolução na direção atual da oncologia pediátrica internacional, que busca individualizar o tratamento com menos intensidade as crianças com menores riscos de recaída.

Segundo Isis Magalhães o exame é realizado nas retiradas da amostra da medula óssea por meio de uma agulha, de onde é extraído o DNA para estudo genético molecular e identificação de alterações relacionadas à doença.

Isis Magalhães informa que o equipamento utilizado no exame foi comprado com recursos provenientes da campanha “McDia Feliz de 2013” e da Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias (Abrace).

“Esperamos em breve receber o sequenciador automático de ácidos nucleicos que permitirá a detecção de mutações relacionadas também há outros tipos de câncer, bem como outras doenças benignas hereditárias tais como: fibrose cística, talassemias e doenças falciformes”, diz a especialista.

Leia também...