Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/03/14 às 10h47 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Hospital do Guará recebe palestra sobre Cuidados Paliativos

COMPARTILHAR

Foco na captação de profissionais para a área

 

Com intuito de sensibilizar e atualizar os profissionais de saúde sobre cuidados paliativos, o Núcleo de Cuidados Paliativos, da Gerência de Câncer da SES/DF, promoveu pela manhã, uma palestra no Hospital Regional do Guará. A atividade faz parte do ciclo de trabalho que está sendo realizado na rede.

O encontro destacou a importância dos Cuidados Paliativos para a promoção da saúde integral de pacientes crônicos que utilizam o SUS no DF e teve a intenção também de sensibilizar mais profissionais para ampliar o serviço existente. O DF se destaca no Brasil por ter primeira residência médica na área e encabeça a discussão na criação de política pública específica.

A atividade desse profissional consiste em aliviar os sintomas, a dor e sofrimento em pacientes portadores de doenças crônico-degenerativas progressivas e irreversíveis com poucas chances de resposta ou em fase final, sendo fundamental o controle da dor e de outros sintomas através da prevenção e do alívio do sofrimento físico, psicológico, social e espiritual. A família desse paciente também é incluída nesse processo.

A psicóloga Giselle Silva e a enfermeira Leni Nunes foram as profissionais que expuseram os delicados temas envolvidos no trabalho. Na oportunidade, foram apresentados os princípios definidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), os princípios éticos e jurídicos que normatizam a prática e as especificidades das práticas assistenciais com servidores com experiência em serviços ambulatoriais, internação e atendimentos domiciliar.

Para Silva, a proposta é ampla e o que o núcleo mais busca é a captação de profissionais com perfil. “O que queremos plantar é a reflexão de que para trabalhar com Cuidados Paliativos é necessário mais que um preparo profissional. A pessoa tem que saber lidar com os temas que a nossa sociedade ocidental não gosta de falar que é sobre a dor, sofrimento e morte. Ainda mais no momento que não tem mais jeito. É nessa hora que transcendemos a medicalização e entra a condição humana do profissional de saúde”, afirmou.

A servidora do Núcleo de Reabilitação e Assistência Domiciliar (NRAD), Andrea Brasil, destacou que a atividade elucidou tópicos importantes nos cuidados paliativos. “Foi muito bom participar porque acrescentei pontos que tinha dúvidas e reafirmar que estamos no caminho certo para atender de forma segura, profissional e humana que a situação desses pacientes exige”, afirmou.

Atualmente, essa assistência é prestada apenas aos pacientes com câncer no Hospital de Apoio de Brasília (HAB) com 18 leitos de internação e no programa de Atenção Domiciliar. A equipe é multidisciplinar. Para atendimento ambulatorial, a população conta com o HAB e o Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF).

Por Érika Bragança, da Agência Saúde DF
Atendimento à imprensa:
(61)3348-2547/2539 e 9862-9226