Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/11/12 às 12h43 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Hran disponibiliza serviço de fissurados

A Regional de Saúde da Asa Norte (Hran) conta com a formação do serviço ambulatorial para fissurados, todas as segundas – feiras, no horário das 14h às 18h. Os pacientes em tratamento das fissuras labiopalatinos têm disponíveis cirurgiões plásticos, otorrino, fonoadiólogo, nutricionista, odontólogo, enfermeiro e auxiliares de enfermagem e serviço social que atuam conjuntamente para que haja a troca de informação entre os profissionais, a fim de minimizar os custos operacionais oferecendo melhor resolutividade no atendimento e maior conforto aos familiares.

O ambulatório de fissurados trata de uma deformidade congênita sem razão evidenciada. Ela é frequente como patologia dentro do segmento familiar, conforme explica o cirurgião plástico, Alexandre Figueiredo. “Se o pai ou a mãe é portador da patologia existe grande possibilidade de a criança nascer com as fissuras”.

O Especialista esclarece, ainda: “as fissuras podem ser exclusivamente labiais envolvendo o alveolo dentário e ainda o palato, parcialmente ou totalmente. As fissuras acontecem em um lado ou em ambos os lados. São mais frequentes as fissuras unilaterais à esquerda, no sexo feminino”.

De acordo com o cirurgião plástico, “as fissuras labiopalatinos ocorrem na proporção de um caso para 10 mil nascidos. Os povos andinos têm uma incidência alta desfazendo os conceitos da modernidade relacionados ao consumo de droga, álcool e tabagismo”, relata o especialista.

Tratamento

Nos paises considerados do primeiro mundo as notificações das fissuras labiopalatinas são compulsórias. No Brasil, tal tipo de informação não é disponibilizada.  

É importante que haja informação de cada paciente fissurado nascido, e que a partir da maternidade, seja realizado o encaminhamento para início do tratamento. Segundo o especialista Alexandre Fegueiredo, o tratamento deve ter início nos primeiros dias de vida com orientação de como alimentar-se, pois esse tipo de paciente precisa ter um bom crescimento e desenvolvimento com acompanhamento da pediatria, nutrição, otorrino. O portador de fissuras tem facilidade de adquirir infecções respiratótias tais como: resfriado, gripe, sinosite, corisa entre outras.

O especialista informa que a cirurgia plástica é reponsável pelo tratamento cirúrgico após seis meses de idade e a do palato (céu da boca) a partir dos dois anos de idade. “Na prática, é visto que cada paciente deverá ser submetido a cinco intervenções cirúrgicas com inicio aos seis meses de idade até os 18 anos”.

Após o tratamento cirúrgico do palato, o paciente é acompanhado pelo fonoaudiólogo, que tem a responsabilidade da fonação bem como o acompanhamento do psicólogo, que será de suma importância no apoio psicológico do paciente e familiares, na aceitação da patologia, enquanto perdurar o tratamento.

Estatistica

O Serviço de fissurados do Hran vai fechar o ano de 2012 com mais de 1,5 mil consultas e cerca de 200 cirurgias plásticas realizadas. Para Alexandre Figeiredo, o número de cirurgias deverá aumentar em 2013. “No final de outubro, o serviço de fissurados, recebeu a visita da primeira- dama do Distrito Federal, Ilza Queiroz, que conheceu de perto e ficou sensibilizada com o atendimento dos fissurados. O serviço precisa ser modernizado com melhoramento das atuais instalações a nível de ambulatório, aquisição de pessoal qualificado, agilização do centro cirúrgico e aquisição de equipamentos instrumental de qualidade” destaca Figueiredo.

Júlio Duarte