Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/04/13 às 14h42 - Atualizado em 30/10/18 às 15h05

HRAN abre mais 22 consultórios no Centro Ambulatorial Especializado

COMPARTILHAR

Inauguração garante melhoria no atendimento

               

 

O Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) inaugura, nesta segunda-feira (29), 15h, o Centro Ambulatorial Especializado, com a abertura de 22 consultórios, nas especialidades de nefrologia, pneumologia, cirurgia torácica, cirurgia vascular e cardiologia. Segundo o coordenador-geral de Saúde da Regional Norte, Paulo Feitosa, haverá uma melhoria no atendimento ambulatorial nessas especialidades. “Essa é uma obra esperada e de alto padrão. No local funcionava apenas o serviço burocrático do HRAN. Agora o transformamos em assistência à população”, comenta o coordenador. 

 

O valor do investimento foi de R$ 1,3 milhão. A obra que teve início em outubro de 2012, conta com 421,15 metros quadrados de área reformada. O coordenador afirma que com a inauguração do novo Centro, a capacidade ambulatorial do hospital vai aumentar cerca de 50%. “Estamos felizes com essa entrega, pois teremos condições de oferecer à comunidade um excelente atendimento nessas áreas”, disse Paulo Feitosa.

 

Mudanças


O coordenador destaca outras iniciativas na regional, no que se refere à assistência humanizada. “Nesse mês, o HRAN recebeu 300 camas hospitalares eletrônicas que foram instaladas nas áreas de internação e no pronto-socorro”. De acordo com ele, esses equipamentos permitem à unidade aprimorar os serviços de assistência à saúde, além de proporcionar maior comodidade aos pacientes. Uma das vantagens das camas eletrônicas é a automatização de determinados procedimentos. “As camas apresentam uma ergometria melhor e possuem colchão mais saudável”, aponta o coordenador.

 

Outro serviço importante que o coordenador ressalta é o Centro de Referência Interdisciplinar em Síndrome de Down, inaugurado no mês passado. Esse Centro tem como objetivo realizar o atendimento completo ao paciente com Síndrome de Down, interligando as várias especificações necessárias ao bom atendimento. Segundo o coordenador, esse paciente receberá acompanhamento de diversos profissionais como, por exemplo, pediatra, fonoaudiólogas, terapeutas ocupacionais e fisioterapeutas. Além disso, terá um suporte continuado nas áreas de Odontologia e Nutrição. Dependendo da necessidade do caso, o paciente será encaminhado às especialidades médicas como Oftalmologia, Cardiologia, Endocrinologia, Gastroenterologia, Onco-hematologia, Neurologia, Otorrinolaringologia, Psicologia e Psiquiatria.

 

Também no mês passado, foi criado oficialmente o Serviço Multidisciplinar de Tratamento de Fissuras Labiopalatais da Coordenação Geral de Saúde da Asa Norte, para atendimento aos pacientes portadores desta patologia. Foram nomeados, para essa unidade, três cirurgiões plásticos, pediatra, fonoaudióloga, nutricionista, psicóloga e enfermeira. Com a publicação no Diário Oficial do DF, a equipe se torna mais integrada e, consequentemente, o serviço passa a funcionar de uma forma mais concreta. Segundo o coordenador, a meta é que nenhuma criança chegue à idade escolar com fissura labiopalatal.

 

Nos últimos dois anos, o coordenador Paulo Feitosa relembra outras conquistas no Hran. “Primeiramente organizamos e inauguramos o Centro de Ensino e Pesquisa, um local apropriado modernizado e informatizado, pois o Hran é um hospital de ensino com residência em anestesiologia, clinica médica, cirurgia geral, plástica, dermatologia, ginecologia e obstetrícia, pediatria, pneumologia, cirurgia urológica, enfermagem e nutrição”. O coordenador cita também a inauguração da Unidade de Reumatologia, Neurologia, Reabilitação e Sono; a reforma do Pronto-Socorro Obstétrico (PSO); a reforma e a aquisição de aparelhos para Central de Material Esterilizado (CME). “Criamos também, a nova Unidade de Gastroproctologia com equipamentos de última geração de endoscopia digestiva alta e baixa”, comenta o coordenador.

 

“Promovemos importantes melhorias estruturais no Pronto-Socorro com a criação de um laboratório de exame no local, novas salas de espera e novos consultórios”, descreve Paulo Feitosa. Outra iniciativa que merece destaque foi criar a comissão de regulação de leitos com maior resolutividade clínica e diminuição do tempo de internação hospitalar.

 

O que vem por aí


O coordenador Paulo Feitosa afirma ainda que as mudanças no HRAN continuarão. Com a transferência de área física das clínicas de nefrologia, pneumologia, cirurgia torácica, cirurgia vascular e de cardiologia, abriu-se espaço para que o Ambulatório do HRAN possa ser ampliado. “Começaremos em breve a obra de modernização e reforma do Ambulatório do hospital por completo”, comenta o coordenador.  

 

Patrícia Kavamoto

Leia também...