Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/09/17 às 19h38 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

HRC tem 50 voluntários e quatro instituições que apoiam pacientes

COMPARTILHAR

Música, histórias, mágica são algumas áreas de atuação dos colaboradores

BRASÍLIA (1º/9/17) – Com rostos pintados, nariz de palhaço e chapéus engraçados, uma turma com cerca de 15 jovens, com idades entre 18 e 25 anos, entra na pediatria do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) e consegue arrancar sorrisos de crianças internadas. Seja com mágica, contação de história, fantoches ou música, o grupo Sport Inside tira, pelo menos por alguns instantes, a frieza do ambiente hospitalar.

“Lembro-me de um garoto, Rafael, que estava internado lá. Fizemos um telefone sem fio e brincamos com ele. Prometemos voltar na semana seguinte, mas só conseguimos ir mesmo 15 dias depois. Chegando lá, o telefone sem fio estava guardadinho com Rafael, para brincarmos de novo”, conta, emocionado, um dos integrantes do grupo, Robielisson de Medeiros.

Ele conta que fizeram amizade com o garoto, ao ponto de comemorar o aniversário de Rafael mesmo depois de ele ter deixado o HRC. “Íamos fazer no hospital, mas ele acabou recebendo alta. Assim, fomos até a casa dele, em dezembro do ano passado, levamos presente, bolo e tudo mais”, relembra.

Os membros do Sport Inside são apenas alguns dos voluntários que dedicam um pouco de seu tempo aos pacientes internados no Hospital Regional de Ceilândia. A unidade conta, ainda, com outras três associações de voluntariado, 11 voluntários sociais e 39 voluntários profissionais.

“Temos um músico, dois artesãos, duas pessoas que fazem acolhimento a pacientes, uma costureira que faz reparos de roupas do centro cirúrgico e cinco pessoas que atuam viabilizando doações de cestas básicas, kits de higiene e cadeiras de rodas para pacientes”, detalha a chefe do Núcleo de Educação Permanente do HRC, Elizabete Abreu.

O motoboy Cícero Magalhães Lima aproveita duas horinhas do seu domingo para cantar para os pacientes. “Não sei cantar muito bem não, mas mesmo assim vou para lá e arrisco umas músicas sertanejas. Ver o sorriso dos familiares e até mesmo dos pacientes, que às vezes estão ali bem doentes, me alegra”, conta ele, que diz ter iniciado o trabalho voluntário para exercer seu lado cristão.

PROFISSIONAIS – A partir de uma portaria publicada em novembro de 2016, a Secretaria de Saúde passou a receber os chamados voluntários profissionais. O objetivo é receber profissionais que possam colaborar no atendimento à população na rede pública de saúde.

No HRC, 39 pessoas são voluntárias profissionais. “São 25 enfermeiros, dois fisioterapeutas, uma médica, um assistente social, um psicólogo, quatro técnicos de enfermagem, um técnico em nutrição e quatro técnicos em radiologia, os quais atuam em áreas como ambulatório e centro cirúrgico”, conta Elizabete Abreu.

Com curso de técnicas em radiologia, as amigas Thamires Rodrigues e Jaqueline Rodrigues fizeram estágio no HRC. Quando terminaram a capacitação, tomaram uma decisão: continuar trabalhando na unidade, porém, de forma voluntária. “Sou apaixonada por este lugar. Então, toda tarde dedico algumas horas aqui”, diz Thamires. Para Jaqueline, é uma forma, também, de praticar e adquirir experiência.

Quem quiser tornar-se voluntário não somente no HRC, mas em qualquer unidade da rede, basta entrar no Portal do Voluntariado, onde há todas as informações e orientações de como proceder.

Saiba mais sobre voluntariado na Secretaria de Saúde: 
Portaria da SES regulamenta trabalho voluntário.

Confira as fotos.

Leia também...