Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/09/19 às 16h12 - Atualizado em 2/09/19 às 17h52

Iges-DF investirá R$ 80 milhões em pacote com 15 metas para melhorar a Saúde do DF

COMPARTILHAR

Ações incluem construção de UPA, compra de tomógrafos e ressonância, além de reformas

 

Um pacote com 15 metas para melhorar a saúde pública do Distrito Federal, que receberá R$ 80 milhões em investimentos, foi lançado pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), no Palácio do Buriti, nesta segunda-feira (2). O anúncio contempla a construção de seis Unidades de Pronto Atendimento (UPA), aquisição de equipamentos, reformas, ampliações e reestruturação de diversos serviços.

 

As ações foram arquitetadas por um grupo de gestores do instituto em um documento chamado Planejamento de Macroprocessos Julho 2019/Dezembro 2020. “Esse planejamento é o marco que nós vamos seguir. Não o fizemos antes porque precisávamos atingir alguns avanços como contratar pessoas, melhorar infraestrutura e abastecer com medicamentos e insumos todas as unidades sob a nossa gestão. É fundamental sinalizar para sociedade essas metas, uma vez que temos uma cobrança muito grande e precisamos dar respostas”, ressaltou o diretor-presidente do Iges-DF, Francisco Araújo.

 

Considerado como um instituto em franca expansão por possuir mais de 1,2 mil leitos e abarcar um complexo com oito unidades, sendo sete incorporadas recentemente, o Iges-DF fará desde a construção de uma nova subestação elétrica até a reestruturação dos serviços de oncologia e radioterapia.

 

Entre as metas, está prevista a melhoria dos serviços para pacientes com câncer. Será adquirido um novo acelerador linear, ao custo de R$ 6 milhões, para fazer radioterapia. Além disso, a Central de Manipulação de Quimioterápicos passará por readequações para reduzir o tempo de espera pela quimioterapia.

 

Os serviços de radiologia também serão contemplados. Em breve, serão adquiridos dois equipamentos de ressonância magnética e dois tomógrafos para o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e para o Hospital de Base (HB). Além disso, o PET-CT, um equipamento que está parado há seis anos, deve ser instalado para ajudar no diagnóstico de doenças como o câncer.

 

SEIS NOVAS UPA – Segundo o presidente do Iges-DF, sobre a construção das seis novas UPA, a primeira a ser inaugurada será a de Brazlândia. “Temos três frentes de trabalho, sendo a primeira a construção; a segunda a infraestrutura, que contempla os equipamentos e os insumos; e, por fim, faremos a contratação de profissionais”, ressaltou.

 

Todas as novas UPA serão porte um e a construção será feita com recursos de emendas parlamentares. Além do apoio de deputados com emendas, os projetos serão custeados com o enxugamento de gastos do Iges-DF e por intermédio de uma revisão de recursos.

 

“Nossa gestão está focada na redução de custos para que possamos fazer investimentos. No caso da construção de uma nova subestação que vai gerar energia para os novos equipamentos, é um projeto da CEB com a Caixa Econômica Federal e esse recurso já está todo direcionado”, disse.

 

Também fazem parte das melhorias um programa de eficiência em logística para melhorar a distribuição de insumos e medicamentos e a modernização do parque tecnológico da hemodiálise para atender pacientes de maior gravidade. Serão adquiridos 25 equipamentos para o Base e 12 para o Santa Maria.

 

Outro foco do Iges-DF é a reestruturação do Núcleo de Medicina Nuclear que receberá o PET-CT e da Unidade de Psiquiatria. Além disso, será feita a reforma do bloco de emergência do Hospital de Base, que envolve o pronto socorro, o centro cirúrgico e a UTI. O projeto básico arquitetônico está em fase final e já passou por três vistorias da vigilância sanitária. À exceção dos demais, esse projeto deve durar quatro anos.

 

Outra melhoria em andamento é a implantação de um novo sistema de gestão hospitalar, que permitirá aumentar o controle dos estoques, analisar a produtividade dos médicos e demais profissionais e resultará, ainda, em uma melhor gestão dos documentos. O sistema já começou a ser implantado no Hospital de Base. A UPA de Ceilândia será a próxima beneficiada.

 

Consideradas grandes inovações na área de ensino e pesquisa, também serão implantadas a Plataforma de Ensino à Distância e uma Central de Simulação Realística para capacitar os 8 mil colaboração do Iges-DF.

Por fim, o Iges-DF buscará a acreditação hospitalar ONA, um título que comprava a melhoria da qualidade e da segurança do paciente e está relacionando a todas as áreas do instituto, bem como implantará o projeto Humanizar.

 

“Não adiantará todos esses investimentos, sem tratar bem nosso paciente. Por isso, o Projeto Humanizar será uma grande aposta do governo e consistirá colocar pessoas nas portas dos hospitais, informando e acolhendo o cidadão. Aliado à todos esses investimentos, o projeto Humanizar transformará totalmente o atendimento”, finalizou.

 

“É importante ressaltar que nos já temos um balanço positivo das ações traçadas para melhorar a qualidade do atendimento à população, desde a implantação do instituto. As três medidas principais adotadas foram reformas e manutenção, abastecimento de medicamentos e a contratação de mais de 2,4 mil profissionais de saúde. Essa é a única unidade da federação a ter esse feito”, disse o vice-governador, Paco Britto.

 

Ele destacou que o governo tem trabalhado diariamente para fazer entregas na saúde como o investimento de R$1,5 milhão em reformas nas UPAs e reposição de equipamentos médicos. “Nós não vamos parar por aqui. Sabemos dos enormes desafios. Reafirmo que o GDF estará presente para mudar a história do DF. Essa é uma determinação do governador. Nós resgataremos a saúde pública do Distrito Federal”, concluiu Paco Britto.

 

METAS PROGRAMADAS:

1 – Programa de eficiência energética e construção de nova subestação elétrica;
2 – Reestruturação do Núcleo de Medicina Nuclear com instalação do Pet-CT;
3 – Reestruturação dos serviços de radiologia com modernização do parque tecnológico;
4 – Reestruturação e ampliação dos serviços de radioterapia e oncologia;
5 – Reforma do Bloco de emergência do HB (Pronto-socorro, Centro Cirúrgico e UTI);
6 – Abertura de seis novas UPA e habilitação de todas as unidades;
7 – Reestruturação da Unidade de Psiquiatria;
8 – Programa de eficiência em logística;
9 – Modernização do parque tecnológico da hemodiálise;
10 – Reforma e adequação da Central de Manipulação de Quimioterápicos;
11 – Implantação de plataforma de ensino à distância no Hospital de Base;
12 – Implantação de novos sistemas de prontuário eletrônico e de gestão em toda a rede do Iges-DF;
13 – Implementação do Projeto Humanizar;
14 – Implantação de simulação realística;
15 – Acreditação da ONA.

 

 

Ailane Silva, do Iges-DF

Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

Leia também...