Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/03/14 às 14h20 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Programa de Infecção Hospitalar do Guará cria selo de qualidade

Objetivo é incentiva o cumprimento de práticas contra infecções

O Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Regional do Guará (HRGU) criou um selo de qualidade como incentivo para o cumprimento de boas práticas e dos procedimentos operacionais contra Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IrAS). O Núcleo de Nutrição e Dietética (NND) foi o primeiro setor da unidade a ganhar a identificação e padrão cinco estrelas.

São cinco pontos abordados: prática de higienização das mãos, higienização de ambiente, protocolos disponíveis e treinamento, uso correto de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e utilização correta das precauções. O setor é avaliado com estrelas. Cinco correspondem a 100%, quatro de 99% a 80%, três de 79% a 60% e duas até 59% do cumprimento das normas. Segundo Eulina Ramos, enfermeira do NCIH, as etapas são essenciais para a saúde do paciente e do servidor.

“Com o cumprimento das normas contra IrAS, conseguimos impedir uma série de riscos para o nosso paciente. É possível evitar a disseminação de bactérias por exemplo. As IrAS estão entre as principais causas de morbidade e mortalidade. Além disso, quanto mais tempo o paciente ficar no hospital, mais suscetível a outras bactérias ele fica. As infecções hospitalares podem ser evitadas com a aplicação de medidas de prevenção”, afirmou.

A iniciativa faz parte do trabalho de conscientização dos profissionais de saúde do hospital. Além disso, o NCIH realiza constantemente capacitações para atualização dos servidores. Recentemente, o núcleo aprovou o Procedimento Operacional Padrão (POP) para facilitar o acesso às informações pertinentes à prevenção e controle das infecções. Os POPs estão disponíveis em cada setor do hospital.

Pontos de atuação de Controle de Infecção Hospitalar (CIH):

Obter taxas que permitem conhecer a realidade epidemiológica e a determinação de parâmetros aceitáveis;
Identificar surtos antes de uma propagação mais prejudicial;
Avaliar a eficácia e a efetividade das medidas de prevenção aplicadas;
Determinar áreas, situações e serviços que merecem atuação especial;
Avaliar fatores que possam estar associados ao aumento ou diminuição da ocorrência do evento estudado,
Divulgação de informações pertinentes.

Por Érika Bragança, da Agência Saúde DF
Atendimento à imprensa:
(61)3348-2547/2539 e 9862-9226