Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/07/20 às 18h30 - Atualizado em 8/07/20 às 18h40

Mais uma UTI com dez leitos atenderá pacientes com Covid-19 no HRSam

COMPARTILHAR

Com novo aporte, hospital chega a 20 leitos de terapia intensiva para coronavírus

 

LEANDRO CIPRIANO, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Para reforçar a assistência durante o pico da pandemia do novo coronavírus Sars-CoV-2, mais uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Samambaia (HRSam) passa a receber exclusivamente os pacientes com Covid-19. A partir desta quarta-feira (8), dez leitos com suporte respiratório estarão à disposição dos pacientes mais graves. Com o novo aporte, o hospital conta agora com o total de 20 leitos de terapia intensiva voltados aos acometidos pelo vírus.

 

UTI 2 do HRSAM agora é exclusiva para atender pacientes com coronavírus – Fotos: Breno Esaki/Agência Saúde

 

“Agora que estamos chegando no pico da pandemia, o HRSam oferece suporte à população abrindo a segunda UTI para casos da Covid-19 e oferecendo mais dez leitos de terapia intensiva, dando vazão aos pacientes. Assim, o hospital vira mais uma referência para tratamento do coronavírus no DF”, afirmou o diretor do HRSam, Luciano Gomes.

 

Segundo o chefe do Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar do HRSam, Danilo Saigg, a UTI passou por desinfecção e limpeza terminal, e os internados que estavam nela foram transferidos para outras unidades hospitalares. “Vendo a necessidade de ampliação desses leitos para os pacientes com Covid-19, e como já temos expertise nesse atendimento, foi decidido disponibilizar a UTI 2 para esses casos, dando um aporte maior”, explicou.

 

 

No dia 25 de junho, a primeira Unidade de Terapia Intensiva do HRSam, também com dez leitos, foi aberta exclusivamente para os agravados pelo coronavírus. Contudo, o hospital tem se organizado bem antes de receber a determinação da Secretaria de Saúde para atender pacientes com Covid-19 na UTI.

 

 

Mais de 100 profissionais da equipe multiprofissional foram treinados no atendimento aos pacientes infectados. A preparação incluiu desde simulações de atendimentos de casos suspeitos até treinamentos de paramentação e desparamentação dos equipamentos de proteção individual (EPIs).

 

 

RECUPERAÇÃO – Com muito esforço e dedicação da equipe, a primeira paciente recuperada da Covid-19 recebeu alta da UTI do HRSam e agora está internada na Enfermaria do hospital, em um leito isolado dos demais. Com um quadro antes agravado, a paciente Roza Paula de Mesquita Souza, de 61 anos, chegou já entubada no hospital, no dia 26 de junho.

 

Roza está na fase final da recuperação da Covid-19

Como agora está em condição estável, a expectativa dos profissionais de saúde é que ela possa voltar para casa em até três dias. Atualmente, não precisa mais do suporte respiratório, o que representa uma grande vitória para a equipe de saúde.

 

 

Segundo o gerente clínico do HRSam, Ruiter Arantes, a recuperação dela trouxe muita alegria para todos os profissionais que a acompanharam durante a internação. “É uma grande satisfação ter a nossa primeira paciente recebendo alta da UTI. Nos dá mais força e coragem para continuarmos enfrentando os próximos desafios”, comentou.

 

PRONTO-SOCORRO – Além da UTI voltada aos pacientes com coronavírus, o hospital também possui uma área exclusiva de atendimento para pacientes com síndrome gripal e suspeita de Covid-19, no pronto-socorro.

 

“Nosso pronto-socorro também virou referência. Temos 12 leitos de cuidados intensivos (UCI) com ventilador mecânico, mais oito de cuidados intermediários, todos eles com ponto de oxigênio. E estamos buscando mais ampliações dentro do hospital, assim que possível”, informou o chefe do Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar do HRSam, Danilo Saigg.

 

 

A medida atende às necessidades de atendimento emergencial em tempos de coronavírus. Além disso, a sala de medicação também foi reformada e a equipe conseguiu criar uma sala de evolução do paciente.

 

Outra iniciativa no hospital foi a criação de um canal de telemedicina para que os servidores efetivos e terceirizados, com sintomas gripais ou da Covid-19, sejam atendidos. A medida reduz o trânsito de funcionários possivelmente infectados pelas dependências da unidade e diminui o índice de transmissão do vírus para outros profissionais e pacientes que aguardam atendimentos, exames, cirurgias e acompanhantes.

 

Edição: Johnny Braga

Leia também...