Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/06/18 às 13h34 - Atualizado em 30/10/18 às 15h19

Metodologia agiliza atendimento odontológico em UBSs

 

Avaliação bucal é feita durante estratificação de risco – Fotos: Matheus Oliveira/ SES-DF

 

A Secretaria de Saúde passou a aplicar uma nova forma de classificar pacientes para atendimento odontológico nas unidades básicas de saúde. O método, chamado estratificação de risco, leva em consideração não somente a avaliação bucal, mas também as condições sociais dos usuários para considerar o risco como alto, médio ou baixo e, assim, agendar as consultas e tratamentos.

 

A metodologia faz parte da Linha Guia de Saúde Bucal, prevista na Portaria 341, publicada em 10 de maio deste ano, e começou a ser implantada nas Unidades Básicas de Saúde Vale dos Pinheiros e Nova Colina, as duas em Sobradinho. As UBSs 4, do Recanto das Emas, e 8, de Ceilândia, serão as próximas a implantar o método em sua rotina.

 

De forma gradativa, todas as 128 UBSs que possuem saúde bucal nas sete regiões de saúde irão implementar a estratificação. “Fizemos visitas a todas as regiões de saúde até 21 de maio, quando apresentamos a linha guia e a partir de agora passaremos a fazer o controle e monitoramento para que, até o final do ano, todas trabalhem nesta lógica”, explica o gerente de Odontologia da Secretaria de Saúde, Maurício Basso.

 

O diretor de Atenção Primária da Região de Saúde Norte, Vinícius Paulino, diz que a intenção é avançar o trabalho para outras equipes de sua área, a partir do piloto. “A estratificação é importante para que as equipes de saúde da família tenham noção da realidade social das famílias de sua área de cobertura, planejando suas ações de acordo com o diagnóstico situacional. As outras equipes precisam se apoderar disso e esperamos que a iniciativa tome proporções maiores”, diz.

 

A avaliação é feita tanto na UBS quanto durante as visitas domiciliares

 

OBSERVAÇÃO – Segundo o dentista da UBS Vale dos Pinheiros, Gleiton Lima, na estratificação são observadas questões além das biológicas. “Observamos desemprego, bolsa família, vulnerabilidade por idade e física, ou seja, são observados vários aspectos com base científica. Essas informações recebem uma pontuação de zero a 52, classificando-as como risco baixo, intermediário ou alto”, explica.

 

Avaliado pela equipe de Gleiton, o comerciante Thiago Pereira Costa, 34 anos, teve pontuação 3 na avaliação. Porém, já teve logo consulta agendada por ter um problema que, se não tratado, pode se tornar urgente. “Mesmo com pontuação baixa, na avaliação geral, percebi um problema que se não for tratado agora, pode levá-lo a se tornar um paciente de risco alto. Então, vamos agir antes”, explica o dentista.

 

Conforme ressalta Maurício Basso, a estratificação é uma forma justa de dar acesso ao usuário que tem mais necessidades. “Além disso, conseguimos organizar a demanda e, ao mesmo tempo, dar acesso mais rápido a quem tem mais necessidade”, complementa.

 

As UBSs Vale dos Pinheiros e 3 de Nova Colina já implantaram a estratificação

 

PORTARIA – Além de organizar o fluxo de atendimento com a utilização da estratificação de risco, a Portaria 341  traz outros pontos que melhoram o atendimento em saúde bucal na rede pública de saúde do DF.

 

“Entre as mudanças, vale destacar que a partir de agora não há mais limites de número de pacientes atendidos por demanda espontânea. Todos os usuários classificados como vermelho serão atendidos na hora. Os classificados como amarelo devem ser atendidos no mesmo turno em que compareceram à UBS”, frisa Maurício Basso.

 

Metodologia agiliza atendimento odontológico em UBSs

 

Texto: Alline Martins, da Agência Saúde