Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/06/15 às 20h39 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

No DF, 55% dos partos são cesarianas

COMPARTILHAR

O perfil de quem passa pela intervenção cirúrgica é de mulheres acima dos 30 anos e com maior escolaridade

BRASÍLIA (11/6/15) – O número de cesarianas no Distrito Federal é superior ao de partos normais, seguindo uma tendência identificada no restante do país. Segundo dados apresentados pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) nesta quinta-feira (11), em 2013, 55% das mulheres passaram por um parto cesário na capital federal. No Brasil foram 57%. A recomendação da Organização Mundial de Saúde é de que esse número não ultrapasse 15%.

As mulheres que escolhem a intervenção cirúrgica no Distrito Federal são casadas, têm mais de 30 anos de idade, são não negras e oito anos ou mais de escolaridade. “As que fazem parto normal são mais jovens, têm entre 15 e 24 anos, são solteiras, negras e têm até sete anos de estudo”, explica a técnica responsável pelo estudo, Ana Maria Boccucci.

Na Periferia Metropolitana, a realidade é diferente. Em 2013, o número de partos normais nos 12 municípios goianos ao redor do DF ainda foi um pouco maior que as cesarianas: 54,38%. Mas, analisando os dados desde o ano 2000, a região aponta crescimento do parto cirúrgico. Naquele ano, apenas 29,41% dos partos era cesários.

“Todos esses dados apontam que é preciso fazer algo para mudar a cultura e mostrar que o parto normal não é tão ruim como falam. E o profissional de saúde é a peça fundamental nesse sentido”, opinou Ana Maria. A mesma defesa faz a chefe do Núcleo de Saúde da Mulher da Secretaria de Saúde, Viviane Tobias Albuquerque. “Deve ser um esforço do profissional ainda durante o pré-natal, desmistificando o parto normal e mostrando os riscos de uma cesariana”, completou.

AÇÕES- Segundo Viviane Albuquerque, a média geral do DF apontando a maioria dos partos por cesariana é puxada pelos hospitais privados, já que na rede pública de saúde é predominante o parto normal. “Nos hospitais públicos, somente 37% dos partos são cesarianos”, frisou.

Além dos profissionais que fazem o pré-natal orientarem as pacientes sobre o parto, a Secretaria de Saúde já treinou 57 doulas em Santa Maria, Gama, Planaltina e Sobradinho, para que possam atuar junto às gestantes antes e durante o parto. “Queremos que tenha pela menos uma doula por maternidade”, destacou a chefe do Núcleo de Saúde da Mulher.

O DF também conta com uma Casa de Parto, em São Sebastião, onde são feitos partos humanizados. Na unidade, busca-se fazer o mínimo de intervenções possível durante o trabalho de parto. As enfermeiras obstetras dão suporte e auxiliam a mulher, orientam o acompanhante e encorajam o parto ativo.