Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/12/19 às 10h03 - Atualizado em 31/12/19 às 10h03

O equilíbrio e as resoluções para o ano novo

COMPARTILHAR

 

Época é boa para se preocupar com a saúde mental

 

O final do ano, geralmente, é um período de reflexões sobre a vida. É um momento de planejar, avaliar e estipular metas para o ano novo, as famosas resoluções. O período também é de grande importância para a saúde mental. É preciso atentar ao que pode ser feito para mantê-la equilibrada ao longo do ano e ao longo da vida.

 

“A saúde mental de uma pessoa está relacionada à forma como ela reage às exigências da vida e ao modo como harmoniza seus desejos, capacidades, ambições, ideias e emoções. A saúde mental é um importante fator que possibilita o ajuste necessário para lidar com as emoções. Certas maneiras de pensar e agir levam a uma boa saúde mental e à realização pessoal”, destaca a diretora de Serviços de Saúde Mental, Elaine Simone Bida.

 

Nada mais comum na chegada de um novo ano do que as resoluções, como “perder peso”, “mudar de emprego” ou “se alimentar melhor”, porém também é preciso dedicar tempo para cuidar da saúde mental, fundamental para uma vida equilibrada e saudável.

 

Entre as alternativas para manter a mente saudável, estão a prática de atividade física, leituras e, ainda, as chamadas práticas integrativas, entendidas como tecnologias eficazes e seguras com ênfase na escuta acolhedora, no autocuidado, no desenvolvimento do vínculo terapêutico e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade.

 

PRÁTICAS INTEGRATIVAS – A rede pública de saúde do DF oferece 17 práticas integrativas, como acupuntura, automassagem, homeopatia, Terapia Comunitária Integrativa e Técnica de Redução de Estresse, em 118 unidades básicas de saúde e em centros de atendimento psicossociais, policlínicas, ambulatórios e hospitais.

 

Existem atendimentos coletivos e individuais que são ofertados de maneira regular nas unidades de saúde em cada cidade do Distrito Federal. Saiba mais.

 

“As PIS atuam de maneira complementar ao tratamento e podem se tornar, inclusive, o tratamento principal. Por serem práticas que lidam com um conceito amplo de saúde física, mental, relacional e espiritual, atuam acalmando, trazendo autoconhecimento, trabalhando a ansiedade e a depressão, e buscando um sentido maior para a vida”, ressalta a gerente das Práticas Integrativas em Saúde, Patrícia Falcão.

 

JANEIRO – Logo no início do ano, uma campanha marca a importância deste cuidado com a mente. É o Janeiro Branco, que visa a sensibilizar a sociedade sobre o problema da saúde mental, sobretudo, por ser, ainda, um tema pouco discutido.

 

“Pessoas mentalmente saudáveis compreendem que ninguém é perfeito, que todos possuem limites e que não se pode ser tudo para todos. Elas vivenciam diariamente uma série de emoções como alegria, amor, satisfação, tristeza, raiva e frustração. São capazes de enfrentar os desafios e as mudanças da vida cotidiana com equilíbrio e sabem procurar ajuda quando têm dificuldade em lidar com conflitos, perturbações, traumas ou transições importantes nos diferentes ciclos da vida”, pontua Elaine Bida.