Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/12/19 às 10h25 - Atualizado em 26/12/19 às 10h33

O que fazer após uma picada de abelha

COMPARTILHAR

A importância das primeiras orientações e cuidados

 

Foto: Gabriel Jabur/Arquivo-Agência Brasília

O período de férias e a chegada do verão são atrativos para as atividades ao ar livre, de preferência onde a natureza seja predominante. Acontece que este é também o período no qual se torna mais comum o aparecimento de insetos, entre eles a abelha, o que pode representar certo perigo para as pessoas.

 

As picadas de abelha podem trazer consequências graves à saúde, principalmente se a pessoa atingida for alérgica ao veneno do inseto. Neste caso, a reação pode até mesmo levar à morte.

 

“Uma picada apenas, dependendo, pode desencadear choque anafilático em pessoas hipersensíveis. Para se defender, as abelhas atacam, isoladas ou em massa. Seu veneno é constituído por enzimas, peptídeos e aminas, substâncias que podem exercer um efeito tóxico no organismo e, mais frequentemente, provocar reações alérgicas que podem ser fatais”, ressalta a bioquímica do Centro de Informação e Assistência Toxicológica do DF, Sandra Márcia da Silva.

 

Segundo dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, do início de 2019 até o mês de novembro foram registrados 1.595 acidentes com animais peçonhentos no DF, sendo 100 ocorrências por picadas de abelhas.

 

Foto: Dênio Simões/Arquivo-Agência Brasília

Se a pessoa não for alérgica, apenas cuidados locais resolvem a questão, como colocar gelo e retirar o ferrão. Porém, é recomendado sempre buscar orientação médica, pois a pessoa pode não saber que é alérgica e as complicações podem ser maiores.

 

“É preciso buscar atendimento clínico numa unidade de saúde. É necessário remover o ferrão e ser examinado para verificar os sintomas apresentados. Pode causar uma dor intensa, reação inflamatória local, eritema e calor, que podem durar dias ou evoluir para sintomas mais graves como reação da hipersensibilidade imediata, com sinais e sintomas de anafilaxia em pacientes previamente sensibilizados”, destaca a bioquímica Sandra.

 

AJUDA  Qualquer unidade básica de saúde (UBS) pode fazer o atendimento. Se a pessoa for picada, o médico da UBS realiza o primeiro atendimento e, se necessário, providencia a remoção do paciente. De acordo com Sandra, o importante é procurar o serviço de saúde mais próximo.

 

O Corpo de Bombeiros atende aos chamados de socorro em caso de ataque de abelhas, como também para a remoção de colmeias que representem algum risco à comunidade.

 

Foto: Pedro Ventura/Arquivo-Agência Brasília

Para as orientações iniciais, o Centro de Informação e Assistência Toxicológica também pode ser acionado pelos telefones 0800 644 6774 e 99288-9358.

 

REAÇÃO ANAFILÁTICA – O choque anafilático, também conhecido como anafilaxia, é uma reação alérgica que surge momentos após a pessoa entrar em contato com uma substância à qual é sensível. O tempo de reação pode variar de minutos, até mesmo segundos.

 

Existem muitas substâncias capazes de desencadear reações alérgicas, entre elas o veneno de abelha. Alguns dos sinais clássicos do choque anafilático são a dificuldade para respirar, coceira e vermelhidão na pele, aumento dos batimentos cardíacos, tonturas e sensação de desmaio.

 

Nivania Ramos, da Agência Saúde