Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/01/19 às 10h03 - Atualizado em 31/01/19 às 16h59

Oficina desenvolve o lúdico em pacientes do Caps Riacho Fundo I

COMPARTILHAR

 

Os pacientes do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) Riacho Fundo I terão a oportunidade de trabalhar o lado mais lúdico do tratamento psicológico na “Oficina Persona: Qual o seu personagem?”. O evento será realizado nesta quinta-feira (31), a partir das 14h, no Centro de Convivência Metamorfose – espaço no Caps Riacho Fundo I (antigo Instituto de Saúde Mental).

 

O objetivo da oficina é trabalhar com pacientes e familiares a questão das máscaras sociais, usadas para esconder segredos, medos e tristezas, seja no trabalho, escola ou no ambiente familiar.

 

Depois da palestra, eles poderão confeccionar suas próprias máscaras de carnaval, ao som de marchinhas, se preparando para participarem do bloco de rua “Amai-vos uns aos loucos”, que sai há três anos em Taguatinga, nesta edição, em 27 de fevereiro.

 

O Caps do Riacho Fundo I também terá um carnaval próprio, que será realizado na unidade em 28 de fevereiro, a partir das 9h.

 

ATIVIDADES – Durante esse processo da oficina, serão trabalhados nos pacientes a concentração, integração em grupo, psicomotricidade, criatividade, desenvoltura e habilidades diversas na interação social.

 

“Os pacientes já se mostraram entusiasmados com a proposta. Muitos deles, por se sentirem excluídos, só têm acesso a algo lúdico por meio do Caps, nessa proposta de inserção social”, conta a gerente do centro do Riacho Fundo I, Alanna Forrest.

 

A oficina também está aberta à participação de pacientes e familiares atendidos por outras unidades de saúde do Distrito Federal, a depender do limite de espaço físico e das suas condições. Os interessados podem entrar em contato pelo telefone 3399-4545 para mais informações.

 

O nome da oficina vem do latim, persona, que, na psicologia analítica do famoso psiquiatra e psicoterapeuta Carl Gustav Jung, retrata a face social que o indivíduo apresenta ao mundo.

 

Leandro Cipriano, da Agência Saúde

Fotos: Mariana Raphael/Saúde-DF