Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/03/13 às 20h36 - Atualizado em 30/10/18 às 14h58

Portaria oficializa serviço de fissuras labiopalatais no Hran

A ordem de serviço que cria oficialmente o Serviço Multidisciplinar de Tratamento de Fissuras Labiopalatais da Coordenação Geral de Saúde da Asa Norte foi publicada esta semana, no Diário Oficial do Distrito Federal. “Este é o primeiro passo para fortalecer o atendimento aos portadores dessa patologia”, afirma o cirurgião plástico Marconi Delmiro, coordenador do atendimento que já funciona no Hran.

Três cirurgiões plásticos, pediatra, fonoaudióloga, nutricionista, psicóloga e enfermeira foram nomeados para a unidade. “A partir da data de publicação (11 de março), a equipe se torna mais integrada e, consequentemente, o serviço passa a funcionar de uma forma mais concreta”, comenta Alexandre Figueiredo, um dos o cirurgiões plástico que compõem a equipe.

No Brasil, nascem cerca de 4 mil crianças portadoras de fissuras labiopalatais. “O índice é surpreendentemente alto. As maiores são fáceis de serem identificadas como, por exemplo, um lábio que está separado, ou uma abertura na gengiva”, comenta Alexandre Figueiredo. Segundo o cirurgião, a criança que apresenta fissura labial deve ser operada a partir do terceiro até o sexto mês de vida, enquanto a que nascer com fissura palatina (céu da boca) deve ser operada entre um e dois anos. O especialista explica, ainda que o paciente deverá ser submetido a cinco intervenções cirúrgicas com início aos seis meses de idade até os 18 anos.

Para ter acesso a esse serviço, o responsável pela criança deve se dirigir a qualquer centro de saúde ou hospital regional e procurar atendimento com o pediatra. Esse profissional dará o encaminhamento e com ele, o responsável deverá comparecer ao setor de marcação. A solicitação da consulta de primeira vez é inserida no Sistema de Regulação e, seguindo a classificação de risco, a regulação entrará em contato com o responsável avisando dia, a hora e o médico que atenderá o paciente. As consultas de primeira vez são realizadas no Hospital Regional da Asa Norte e os retornos são marcados pelo Hran.

Em 2012, foram realizadas 200 cirurgias plásticas e o ano anterior contabilizou 135 procedimentos. “Esse crescimento se deve à vinda de mais um profissional para a equipe”, comentou o coordenador Marconi. Semanalmente, de 30 a 35 crianças são atendidas no Ambulatório do Hospital Regional da Asa Norte. Todas às segundas-feiras, das 14h às 18h, são realizadas consultas e às quartas, os procedimentos cirúrgicos, das 7h às 19h.

Após o tratamento cirúrgico do palato, o paciente recebe assistência fonoaudiológica e psicológica. “Esse acompanhamento é de suma importância, pois o paciente estará em processo inserção social e terá uma qualidade de vida”, afirma o coordenador Marconi.

Patrícia Kavamoto