Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/08/13 às 16h20 - Atualizado em 30/10/18 às 15h06

Salas de vacinação receberam mais de 51 mil crianças no Dia D

COMPARTILHAR

Campanha continua até sexta-feira (30)

Um total de 51.691 crianças menores de cinco anos de idade foram atendidas nos 120 postos montados pela Secretaria de Saúde em todo Distrito Federal, nesse sábado (24), Dia D de mobilização da campanha nacional para atualizar a caderneta de vacinação infantil.

Entre as crianças que procuraram os postos, 18.404 foram vacinadas. A maior procura foi pela aplicação das doses de reforço na faixa etária de quatro anos de idade. Cerca de oito mil crianças compareceram aos postos e metade – quatro mil – receberam doses das vacinas tríplice viral (rubéola, caxumba e sarampo), DTP (difteria, tétano e coqueluche) e Sabin, contra poliomielite, segundo levantamento da Vigilância Epídemiológica da SES/DF.

A campanha para atualização das cadernetas de vacinação continua a partir desta segunda-feira (26) até sexta-feira (30), nas 107 salas de imunização da rede pública de saúde do DF. No Distrito Federal a meta é avaliar a situação vacinal de 204.643 crianças e imunizar todas que não estiverem com a caderneta em dia.

São oferecidas todas as vacinas do calendário básico infantil: BCG, hepatite B, penta, inativada poliomielite (VIP), oral poliomielite (VOP), rotavírus, pneumocócica 10 valente, meningocócica C conjugada, febre amarela, tríplice vira (sarampo, rubéola e caxumba) e DTP (difteria, tétano e coqueluche).

Além das vacinas de rotina, o Ministério da Saúde disponibilizou para as crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade a suplementação de vitamina A, que contribui para a redução do risco global de morte, mortalidade por diarréia, além de ajudar no desenvolvimento e crescimento das crianças. A megadose de vitamina A também estará disponível nos centros de saúde.

Crianças com quadro de infeções agudas e febre acima de 38 graus, com imunodepressão congênita ou adquirida (como AIDS), que estejam se submentendo a quimioterapia, ou apresentem alergia grave a um dos componentes da vacina não devem ser imunizadas. Em caso de dúvida os pais devem procurar a orientação de um médico.

Confira a lista de postos de vacinação na rede pública de saúde.

Vacinas
BCG – Dose única ao nascer. Para criança não vacinada menor de cinco anos de idade, conforme normas do PNI.
Hepatite B – Administrar a primeira dose em toda criança até um mês de idade não vacinada. Para a criança maior de um mês de idade não vacinada, agendar a vacina pentavalente para os dois meses de idade.
Penta – Criança de dois meses a menores de cinco anos de idade (quatro anos, 11 meses e 29 dias) deverá iniciar e concluir o esquema básico com essa vacina.
– Primeira dose aos dois meses
– Segunda dose aos quatro meses
– Terceira dose aos seis meses
Para situações onde a criança perdeu a oportunidade da vacinação no momento da introdução da vacina em 2012, iniciar ou completar esquema vacinal com a vacina pentavalente, respeitando os intervalos preconizados pelo PNI.

VIP/VOP – esquema sequencial – Criança de dois meses a menores de cinco anos de idade (quatro anos, 11 meses e 29 dias) deverá receber o esquema vacinal sequencial da VIP (primeira e segunda doses) e VOP (terceira dose e reforço). Criança menor de um ano que receber doses anteriores (primeira e/ou segunda dose) de VIP deverá seguir o esquema sequencial.

VOP – Criança menor de cinco anos de idade que iniciar esquema com VOP deverá completar o esquema com a mesma vacina.

Rotavírus – Primeira dose aos dois meses de idade. Segunda dose aos quatro meses de idade. Criança com idade de um mês e 15 dias a três meses e 15 dias pode receber a primeira dose. Criança com idade de três meses e 15 dias a sete meses e 29 dias pode receber a segunda dose desta vacina.

Pneumocócica 10 valente – Criança a partir dos dois meses de idade deve receber três doses desta vacina com intervalo de dois meses entre elas, e uma dose de reforço, preferencialmente entre 12 e 15 meses de idade. Criança entre sete meses e nove meses de idade não vacinada deve receber duas doses desta vacina com intervalo de pelo menos dois meses entre as doses e uma dose de reforço, preferencialmente entre 12 e 15 meses de idade.Criança entre 10 meses e 11 meses de idade não vacinada deve receber uma dose da vacina e uma dose de reforço, preferencialmente entre 12 e 15 meses de idade. Criança entre um ano e menor de dois anos de idade (um ano, 11 meses e 29 dias) não vacinada deve receber uma única dose desta vacina.

Meningocócica C conjugada – Criança a partir dos três meses de idade deve receber duas doses dessa vacina com intervalo de dois meses entre elas, e uma dose de reforço, preferencialmente entre 12 e 15 meses de idade. Criança entre 10 e 11 meses de idade, deve receber uma dose desta vacina e uma dose de reforço preferencialmente entre 12 e 15 meses de idade. Criança entre um ano a menor de dois anos de idade (um ano, 11 meses e 29 dias) não vacinada deve receber uma única dose desta vacina.

Febre amarela – Criança a partir dos nove meses de idade deve receber a dose inicial dessa vacina de acordo com a área de recomendação. Crianças indígenas devem receber a dose inicial desta vacina a partir dos nove meses de idade, independente da área onde residem.

Tríplice viral – Criança deve receber a primeira dose da vacina aos 12 meses de idade e agendar a segunda dose para 15 meses de idade. Manter intervalo mínimo de 30 dias entre as doses para as crianças que chegarem aos serviços após 14 meses de idade. Criança maior de 15 meses de idade sem nenhuma dose deve receber a primeira dose e agendar a segunda dose obedecendo ao intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.

DTP – Criança deve receber o primeiro reforço da vacina aos 15 meses de idade e agendar o segundo reforço para quatro anos de idade. Criança maior de 15 meses e menor que quatro anos, sem reforço desta vacina deve receber o primeiro reforço, e agendar o segundo reforço para os quatro anos de idade, obedecendo ao intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. Criança com quatro anos sem nenhum reforço administrar o primeiro reforço.

Tânia Costa

Leia também...