Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/04/18 às 17h51 - Atualizado em 30/10/18 às 15h19

Pressão alta é assunto do dia em UBS do Recanto das Emas

COMPARTILHAR

 

A Unidade Básica de Saúde (UBS) 3, do Recanto das Emas, promoveu, nessa segunda-feira (23), uma série de atividades relacionadas à Semana Mundial de Conscientização, Prevenção e Combate a Hipertensão Arterial.

 

Para alertar a população sobre os riscos da pressão alta, foram abordados temas como atividade física, alimentação saudável, fatores de risco, biopedância e verificação de medida da circunferência abdominal.

 

“Também falamos fatores de risco, vídeos educativos, automassagem e servimos um café da manhã saudável”, informou a coordenadora do evento, enfermeira Rosana Suely de Sousa.

 

Os profissionais de saúde também informaram e orientaram sobre a importância de se realizar a aferição regular da pressão arterial, e como preveni-la.

 

“A educação em saúde é necessária, além do acompanhamento, controle e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis, devido à sua alta prevalência”, destaca o médico de família e comunidade, Diogo Nogueira.

 

“Além do mais, isso é atenção primária sendo realmente atenção primária, realizando atividades e atuando na prevenção de doenças crônicas”, completa Nogueira.

 

Segundo a gerente da UBS 3, Andréa Sousa, a unidade tem realizado atividades incluídas na carteira de serviços da atenção primária, para assegurar aos usuários uma boa manutenção da saúde.

 

“Educar o usuário quanto às práticas saudáveis de vida é o melhor caminho para a prevenção de doenças e evitar a complicação delas, tendo em vista que a hipertensão é uma condição multifatorial que pode resultar em complicações em órgãos vitais e alterações metabólicas, muitas vezes fatais”, alerta Andréa.

 

Ainda comemorando a regulamentação da jornada de 18 horas na Secretaria de Saúde, acadêmicos de medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde participaram da programação desenvolvida na UBS 3.

 

ESTATÍSTICAS – Anualmente, cerca de quase trezentas mil pessoas morrem no Brasil de doenças cardiovasculares, mais da metade por conta de pressão alta. Essas enfermidades são responsáveis pelo maior número de óbitos no Brasil, seguidas por mortes por câncer e causas externas, como a violência.

 

Sem cura, a hipertensão arterial é uma doença democrática que não discrimina sexo, faixa social ou idade.  Atinge 30% da população adulta brasileira, chegando a mais de 50% na terceira idade e está presente em 5% das crianças e adolescentes no Brasil.

 

Também é responsável por 40% dos infartos, 80% dos acidentes vascular cerebral (AVCs) e 25% dos casos de insuficiência renal terminal.

 

CONSCIENTIZAÇÃO DO CONTROLE E TRATAMENTO – As graves consequências da pressão alta podem ser evitadas, desde que os hipertensos conheçam sua condição e mantenham-se em tratamento.

 

Apenas 23% dos hipertensos controlam corretamente a doença, outros 36% não fazem controle algum e 41% abandonam o tratamento, após melhora inicial da pressão arterial.

 

FATORES DE RISCO

 

*Obesidade, histórico familiar, sedentarismo, consumo excessivo de sal, abuso de álcool, e estresse são algumas das causas da doença que pode levar a um infarto, derrame cerebral e insuficiência renal se não tratada.

 

*Para evitar a hipertensão ou para controlá-la, é preciso abandonar o cigarro, praticar atividade física, controlar o estresse e diminuir a ingestão de sal.

 

*O excesso de peso também é um fator de risco importante. Por isso, faremos o cálculo do IMC (Índice de Massa Corpórea), que é como identificamos a obesidade, mas ressalto que é preciso mudar os hábitos para não correr o risco de sofrer de hipertensão.