Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/02/13 às 18h28 - Atualizado em 30/10/18 às 14h58

Profissionais do HRC realizam treinamento de classificação de risco

Sistema Manchester proporciona maior eficiência e rapidez

A partir de segunda-feira (25), 80 profissionais que atuam no pronto-socorro do Hospital Regional de Ceilândia (HRC), entre médicos e enfermeiros, participarão do treinamento do Sistema Manchester de Classificação de Risco. O treinamento será dividido em quatro turmas, com duração de oito horas cada uma, até o dia 1º de março.

O novo sistema já foi implantado no Hospital de Base do DF e tem como objetivo qualificar o atendimento ao paciente que chega ao pronto socorro, classificando-o de acordo com a prioridade clínica. São avaliadas queixas do paciente e os chamados sinais vitais (pressão arterial, pulso, saturação de oxigênio, glicemia e temperatura), conforme a necessidade para identificar os casos mais urgentes. São seguidas cinco cores, as quais indicam o grau de gravidade: vermelha, laranja, amarela, verde e azul.

No HRC já existe um sistema de acolhimento e classificação de risco, implantado há mais de um ano, para clínica médica e pediatria. O Protocolo Manchester será estendido às demais clínicas (ortopedia, cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia). Em 2012, mais de 294 mil pacientes passaram pelo pronto socorro do HRC.

É Importante destacar que o objetivo da classificação de risco não é fazer um diagnóstico, mas definir uma prioridade clínica para o primeiro atendimento médico. Para o paciente é uma grande vantagem, pois o atendimento deixa de ser por ordem de chegada e passa a ser em função da gravidade do problema que motivou sua ida a um serviço de emergência. Para os profissionais é vantajoso também porque se tem uma imagem clara do numero de doentes que precisam de atendimento mais imediato e se pode atuar de forma mais rápida, eficiente e responsável.

Regina Célia