Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
12/08/21 às 18h17 - Atualizado em 12/08/21 às 19h08

Profissionais e gestores de saúde avaliam prestação de serviços na Atenção Primária do DF

A ação busca fortalecer e qualificar o atendimento ofertado à população em 170 Unidades Básicas de Saúde do DF.

 

Por: Fiocruz Brasília

 

Cerca de seis mil profissionais e gestores de saúde, que atuam na Atenção Primária à Saúde (APS) do Distrito Federal (DF), preparam-se para iniciar uma autoavaliação sobre os serviços e atendimentos prestados à população nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). A ação faz parte do Programa de Qualificação à Atenção Primária à Saúde do Distrito Federal (Programa Qualis APS) e tem como objetivo desenvolver e incorporar novas ações que fortaleçam e aprimorem os atendimentos disponíveis no dia a dia da população do DF.

 

“A intenção é trazer ferramentas e processos qualificados para melhorar a eficiência dos serviços e a qualidade das condições de trabalho, e alinhar todo esse processo de avaliação, que é cíclico, duradouro e continuado, junto com os trabalhadores e a população. Além disso, esse alinhamento será feito com os acordos de gestão local, com toda a programação orçamentária e com os planejamentos estratégicos”, destaca Fernando Erick Damasceno, à frente da Coordenação de APS da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF).

 

Qualis APS, fortalecimento e aprimoramento dos serviços da atenção primária. Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Os profissionais das 604 equipes de Saúde da Família, das 324 equipes de Saúde Bucal e da gestão irão responder a questões relacionadas ao processo de trabalho realizado dentro das unidades de saúde. A ideia é atingir graus de qualidade e excelência pelas UBS. O preenchimento do instrumento de autoavaliação será feito por meio de uma plataforma on-line.

 

“É importante destacar que a avaliação que estamos desenvolvendo não se resume a um check list, se as equipes ou gestores cumpriram ou não determinadas ações. Trata-se de um processo formativo, no qual as equipes possam ter espaços para se reunir e refletir sobre o que estão fazendo, quais as potencialidades e dificuldades, como corrigir os rumos e fazer diferente, de maneira que a qualidade da atenção ao usuário possa ser melhorada”, afirma Magda Scherer, professora da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UnB), uma das pesquisadoras que colaboram com o Programa.

 

De acordo com Magda, a avaliação da atenção primária só faz sentido com o engajamento das pessoas que desenvolvem as ações na ponta. “Envolver os trabalhadores, protagonistas da ação, no processo de avaliação é uma questão de saúde e não só de melhoria da saúde da população. É uma questão de saúde do próprio trabalhador, de ele se ver engajado e utilizar sua experiência para a construção do processo de avaliação”, ressalta.

 

Cada profissional e gestor receberá o link da plataforma em que poderá acessar todas as informações relativas ao processo de autoavaliação. O documento deverá ser finalizado e entregue em até 60 dias via plataforma, no formato on-line.

 

A estratégia faz parte da construção do diagnóstico inicial dos serviços ofertados à população do DF na Atenção Primária. A análise inclui a estrutura das UBS e a autoavaliação dos profissionais e gestores que atuam na localidade. No primeiro momento, a equipe do Qualis APS realizou o levantamento da estrutura de cada UBS do DF, com dados sobre recursos humanos, área física, equipamentos, tecnologia da informação e insumos. Após a autoavaliação, as equipes e a gestão local da APS do DF receberão apoio institucional para elaborar e implementar um Plano de Ação de Qualidade (PAQ), que permitirá melhorar de forma contínua a qualidade dos atendimentos.

 

Qualis APS

Criado em janeiro de 2019, o Programa de Qualificação da Atenção Primária à Saúde do Distrito Federal (Qualis APS) tem como objetivo melhorar os serviços prestados na APS do DF. Ele é desenvolvido por meio de convênio entre a SES/DF, a Fiocruz Brasília e a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec), com a colaboração técnica de pesquisadores da UnB. Fazem parte do Programa trabalhadores e gestores das sete Regiões de Saúde do DF, com o apoio de conselheiros de saúde.