Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/09/13 às 13h23 - Atualizado em 30/10/18 às 15h07

Saúde realizou 3,8 mil inseminações em 15 anos

COMPARTILHAR

Foram atendidos mais de 3,8 mil pacientes para fertilização in vitro e inseminação intrauterina

O Programa de Reprodução Assistida do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB) comemora 15 anos de existência, nesta quarta-feira (18). Um dos únicos do Brasil a oferecer o tratamento inteiramente gratuito, soma mais de 3,8 mil casais atendidos. A celebração será no grande auditório do HMIB (SGAS 608 – L2 sul/ Asa Sul), às 11h.

“Nesses 15 anos, foram chamados mais de 3,2 mil casais para fertilizações in vitro e 600 para inseminações intrauterinas. Lutamos diariamente para conseguir que a população possa realizar o sonho de se perpetuar por meio de seus filhos”, relata a diretora do Centro de Ensino e Pesquisa em Reprodução Assistida (Cepra), Rosaly Rulli Costa.

O evento contará com a presença de 78 casais beneficiados pelo programa. Para concretizar o desejo de ter o filho nos braços, os pacientes passaram por uma fila de até cinco anos e diversas etapas, entre elas consultas médicas, palestras educativas, entrevistas individuais e atendimento psicológico. 

Mensalmente a Cepra realiza 15 a 20 ciclos de Fertilização e Inseminação em que, em sua maioria, não teriam condições de financiar o tratamento em clínicas privadas.  Segundo Rosaly, estatísticas apontam que 15% da população é infértil. As principais causas entre as mulheres são fatores que levam a obstrução das trompas e para os homens, a produção inadequada de espermatozoides.

“O diferencial do programa é o atendimento humanizado feito pela nossa equipe multidisciplinar. Temos um cuidado enorme com os casais e, mesmo aqueles que não conseguem o resultado esperado, saem do hospital com a certeza de que foi feito tudo o que era possível”, explica a diretora.

A taxa de sucesso do serviço referente aos bebês que nasceram saudáveis é de mais de 30%, considerada excelente para os padrões e limitações da saúde pública brasileira. O resultado equipara-se a taxa do serviço público europeu que fica em torno de 35% a 45%.

De acordo com a Rosaly, os bons resultados nesses 15 anos se devem principalmente a aquisição de equipamentos de última geração como a ultrassonografia tridimensional, o fornecimento adequado dos medicamentos necessários para a realização das técnicas e o apoio do Ministério da Saúde que destinou, em maio, uma verba de R$1 milhão para ampliação do programa.

Segundo a diretora, a legislação também avançou e possibilitou sanar os problemas de embriões congelados que estão armazenados há anos, dos casais homoafetivos e dos casos de doação compartilhada.  

Em 2013

A fila de espera era de cinco anos, mas nos dois últimos anos, a equipe da Cepra conseguiu zerar a fila para inseminações intrauterinas e diminuir para três anos o atendimento para inseminação in vitro.

O plano para o final de 2013 é sanar a fila de espera para a técnica de inseminação intrauterina e trabalhar para a ampliação da estrutura física para também zerar a fila da Fertilização in vitro, técnica mais complexa. Objetivo principal é acelerar o atendimento e acabar com a longa espera para o tratamento.

Ana Luiza Greca

Leia também...