Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/12/12 às 18h34 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Proteção para toda a família

COMPARTILHAR

Vacinas previnem e reduzem a disseminação das doenças

Muita gente pensa que tomar vacina é coisa de criança. Grande engano, o Programa Nacional de Vacinação, por meio do Sistema Único de Saúde, oferece gratuitamente à população vacinas que protegem crianças, adolescentes, gestantes, adultos e idosos. Somente para as crianças estão disponíveis 11 diferentes tipos que previnem contra 14 doenças. Confira aqui informações importantes sobre vacinação, fornecidas pelo Núcleo de Imunização da Secretaria de Saúde do DF, seja qual fora a sua idade.

Quais vacinas são oferecidas às crianças?
De acordo com oNúcleo de Imunização da Secretaria de Saúde, a rede pública de saúde oferece gratuitamente para as crianças 11 diferentes tipos de vacina que protegem contra mais de 14 doenças. Algumas vacinas protegem contra doenças típicas da infância enquanto outras vão proteger a pessoa durante toda a vida. Entre estes agravos prevenidos pela vacinação estão a hepatite B, Sarampo, Caxumba, Rubéola, paralisia infantil e o tétano.

E para os adultos?
Para os adultos, são oferecidas as vacinas contra a febre amarela, tétano (reforço a cada 10 anos), hepatite B (para gestantes e adultos menores de 30 anos) e contra o Sarampo (puérperas, mulheres de 20 a 49 anos, homens de 20 a 39 anos).
Para os idosos e crianças menores de dois anos é oferecida ainda a vacina contra a gripe durante a Campanha Nacional de Influenza. Existem ainda vacinas destinadas a pessoas com indicação clínica restrita, as quais estão disponíveis nos centros de referência para imunobiológicos especiais (CRIE).

Quais vacinas a pessoa deve tomar quando viaja ao exterior?
É preciso observar o destino do viajante e as vacinas já tomadas previamente. As vacinas mais recomendadas são: tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), dupla adulta (difteria e tétano) e febre amarela.
De acordo com o regulamento Sanitário Internacional é exigido o cartão de vacinação internacional para febre amarela. Para isso, o viajante deve procurar o centro de saúde mais próximo para tomar a referida vacina no mínimo dez dias antes de sua viagem. Esta vacina terá validade de dez anos, devendo ser novamente administrada até o final desse período. Em seguida, entrar no site da Agencia Nacional Vigilância Sanitária (Anvisa)para fazer o pré-cadastro: http://www.anvisa.gov.br/viajante/. Em seguida, é preciso procurar o Centro de Orientação ao Viajante para a emissão do Certificado Internacional de Vacinação. O Centro de Orientação fica no Aeroporto de Brasília – Telefone: (61) 3364 9228/9220. Atendimento de segunda a sexta, de 08 as 12 h e de 13 às 17h.

A SES dispõe de algum serviço ao viajante?
O Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Imunização da Regional de Saúde da Asa Norte (Hran) conta com o ambulatório do viajante, que funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e nas quartas-feiras, das 14h às 18h. O agendamento de consulta pode ser feito por meio do telefone 3325-4362. Na consulta, o paciente deverá apresentar o cartão de vacinas e detalhar o roteiro da viagem,o meio de locomoção (navio, avião, ônibus, trem) e tempo de estadia (acampamento, hotel, casa de família). O médico definirá os cuidados a serem tomados em relação à alimentação, ingestão de água, mordidas de insetos e imunização. Outras informações adicionais podem ser obtidas no site: http://www.anvisa.gov.br/viajante.

Como está a cobertura vacinal no DF?
A série histórica de cobertura vacinal de crianças menores de um ano do Distrito Federal desde 2001 revelou resultados acima dos parâmetros definidos como adequados pelo Programa Nacional de Imunização (95%) para a maioria das vacinas. Em 2011, o DF superou 100% para a vacina BCG (108,5%). As vacinas contra hepatite B e febre amarela ficaram abaixo da meta preconizada, respectivamente 94,8% e 94,5%. As vacinas contra poliomielite 95,9%, DTP+Hib 95,6%, e tríplice viral 99,1% ultrapassaram a meta.

Quais vacinas foram introduzidas no calendário de 2012?
Este ano, houve a introdução de duas vacinas para crianças menores de cinco anos no calendário. A penta (que protege contra difteria, tétano, coqueluche e hepatite B) e a vacina inativada contra a poliomielite (VIP – que protege contra a paralisia infantil).
A partir do segundo semestre de 2013, o Ministério da Saúde vai incluir a vacina tetra viral. Além de prevenir contra sarampo, caxumba e rubéola (doenças já cobertas pela vacina tríplice viral ofertada pelo SUS), a vacina vai imunizar também contra a catapora. Será implantada também a vacina contra hepatite A para as crianças aos 12 meses de idade. Estuda-se futuramente a implantação da vacina contra o HPV.

Quais as dificuldades para manter bons níveis de cobertura?
O problema que enfrentamos é a falta de consciência da população em relação à importância de manter a vacinação em dia e entender que vacinar não é somente coisa de criança e sim para toda a família. Também é necessário conscientizar sobre a necessidade de guardar em local adequado o cartão de vacina.

Temos novidades para o próximo ano?
No ano que vem, devem ser implantadas em todas as salas de vacina do Distrito Federal o SI-PNI, que é um sistema informatizado de registro nominal de vacinados. Desta forma, a SES terá um banco de dados informatizado com o cadastro de todas as pessoas vacinadas por nome e local de residência.

Confira o calendário de Imunização 2012 

Celi Gomes