Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/12/21 às 11h00 - Atualizado em 10/12/21 às 11h30

Rede de Flores é responsável por acolher mulheres em situação de violência doméstica

As vítimas recebem atendimento com equipe multidisciplinar e é inserida em tratamento terapêutico, de acordo com o caso

 

 

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF | EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA | REVISÃO: JULIANA SAMPAIO

 

Muita gente desconhece, mas a Secretaria de Saúde disponibiliza, para atender mulheres vítimas de violência, uma rede nos Centros de Especialidade Para Atenção às Pessoas em Situação de Violência Sexual, Familiar e Doméstica (Cepav), mais conhecidos como a “Rede de Flores”.

 

Hoje, o Distrito Federal conta com 17 Cepavs distribuídos em todas sete regiões de saúde. Os acessos da comunidade aos serviços ocorrem por meio de encaminhamentos pela Rede Intrasetorial (Unidades de Saúde), pela Rede Intersetorial (Conselho Tutelar, Centros de Referência Especializado da Assistência Social (Creas), Polícia Militar, Polícia Civil, órgãos do Judiciário e outros), além de demanda espontânea.

 

Durante o atendimento no Cepav é feito o acolhimento, são dados orientações e encaminhamentos. Assim, a pessoa é inserida no processo terapêutico, a depender de cada caso. Apesar da pandemia, os atendimentos continuaram em todas unidades.

 

A técnica de Farmácia Rosana da Cruz, de 37 anos, é acompanhada no Cepav Girassol, localizado dentro do Hospital da Região Leste (antigo hospital do Paranoá), há cerca de um mês e meio e se sente grata pelo acolhimento que recebeu.

 

“Eu nem sabia da existência dos Cepavs. Tive uma crise muito forte de pânico e busquei ajuda na unidade básica de saúde. De lá, eles me encaminharam para o Cepav, onde me surpreendi com o acolhimento que recebi, principalmente em um momento em que eu estava me sentindo tão mal, tão vulnerável, precisando de ajuda e sem ter com quem contar”, relata.

 

Violência deve ser denunciada – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Rosana explica que sofreu violência doméstica por familiares próximos em sua infância e adolescência e esses traumas e gatilhos têm refletido muitas ações e comportamentos que ela tem no presente. Por isso, as brigas e desentendimentos ocorrem dentro de casa, já que ela se queixa de ter uma família desestruturada.

 

“Fui atendida pela assistente social e agora estou fazendo acompanhamento psicológico, que tem me ajudado muito a refletir sobre situações que, muitas vezes, fogem do meu controle e do meu entendimento. Tenho sido muito bem atendida e estou gostando muito. O acolhimento que recebo em cada sessão é fantástico”, avalia.

 

Dados

 

Na região de Saúde Central foram realizados 4.097 atendimentos em 2019, 1.446 em 2020 e 1.405 em 2021 (janeiro a setembro). Vale destacar que devido à pandemia, todas atividades em grupo foram suspensas para manter os protocolos de segurança para combate à covid-19.

 

Na região de Saúde Sudoeste foram realizados 3.007 atendimentos em 2019, 1.385 em 2020 e neste ano o número subiu para 5.093. Segundo Luciano Gomes, superintendente da região Sudoeste, os números de atendimentos tiveram um aumento por conta da inauguração do Cepav Amarilis, no Recanto das Emas.

 

Já na Região Oeste, em 2019 o número de atendimentos realizados nos Cepavs da região foi de 1.497 em 2019, 910 em 2020 e 899 até setembro deste ano. Lembrando que uma mulher pode passar por vários atendimentos, de acordo com a necessidade. Na região Norte foram 267 atendimentos realizados em 2019, 358 em 2020 e 248 de janeiro a outubro de 2021.

 

Já na região Centro-Sul foram contabilizados os números de vítimas de violência doméstica que buscaram atendimento nos Cepavs Alfazema e Primavera. Foram atendidas no ano passado 65 mulheres e, neste ano, até outubro, mais 65.

 

Na região Sul, responsável pelos Cepavs Gardênia e Flor do Cerrado, 115 mulheres vítimas de violência doméstica foram atendidas de 2019 a maio de 2021. A partir de junho desse ano, o Cepav Flor do Cerrado reabriu em Santa Maria, e foram realizados 281 atendimentos de junho a outubro de 2021.

 

Na região de saúde Leste, responsáveis pelos Cepavs Girassol e Tulipa, foram realizados um total de 2.246 atendimentos em 2019, 1.226 em 2020 e 1.378 em 2021 (janeiro a setembro). Vale destacar que nos anos de 2020 e 2021 não foram realizados atendimentos em grupo, em função da pandemia e da restrição para atividades coletivas. Deste modo, todos atendimentos psicossociais foram realizados na modalidade individual.

 

Função

 

Os Centros de Especialidade Para Atenção às Pessoas em Situação de Violência Sexual, Familiar e Doméstica (Cepavs) oferecem acolhimento às pessoas em situação de violência interpessoal e suas famílias, encaminhamentos e orientações gerais, atendimento multiprofissional de forma individual, em grupo para crianças e adolescentes, em grupo para mulheres, atendimento médico ambulatorial para crianças e adolescentes. Além de ações de prevenção, promoção da saúde e da cultura de paz com a comunidade e escolas.

 

Segundo Leciana Lambert Filgueiras, chefe do Núcleo de Estudos, Prevenção e Atenção às Violências (Nepav), o Cepav é responsável pela articulação da rede distrital voltada à prevenção das violências e promoção da saúde e da cultura de paz, bem como visa promover a qualificação da vigilância de violências, desenvolvimento de pesquisa, formulação de indicadores, disseminação de conhecimentos e práticas bem-sucedidas, criativas e inovadoras.

 

“O Cepav também é responsável por implementar a troca de experiência de gestão e de formulação de políticas públicas setoriais e intersetoriais para a atenção integral às pessoas vivendo em situação de violência e segmentos vulneráveis. A equipe técnica do Nepav fornece assessoria técnica na temática violência para toda a rede de saúde do Distrito Federal”, explica.