Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/12/21 às 17h38 - Atualizado em 10/12/21 às 18h11

Rede pública ganha mais dois sistemas de cariotipagem

Com a aquisição dos equipamentos, Laboratório de Citogenética dobra capacidade de exames

 

CAMILA HOLANDA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF | EDIÇÃO: MARGARETH LOURENÇO | REVISÃO: JULIANA SAMPAIO

 

O Laboratório de Citogenética do Hospital de Apoio de Brasília (HAB) iniciou a operação de dois novos sistemas de cariotipagem nesta sexta-feira (10). Os equipamentos reforçam o diagnóstico e o aconselhamento genético na rede pública do Distrito Federal.

 

Aparelhos são de última geração e permitirão melhor análise de materiais genéticos – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

A cariotipagem analisa os cariótipos, que são o conjunto de cromossomos dentro do núcleo de uma célula, para detectar alterações genéticas, como as estruturais e as numéricas. Atualmente, o Laboratório realiza 60 exames mensais. Com a aquisição dos dois aparelhos, a unidade dobra a capacidade de análise e atende a fila de espera, que registra mais de 100 pacientes.

 

“Os testes eram feitos manualmente e agora estão automatizados, acelerando os resultados”, enfatiza Alexandre Lyra, diretor-geral do HAB. Até então, as técnicas do Laboratório desenhavam em um caderno todos os cromossomos, para, depois, analisar e identificar possíveis alterações.

 

Agora, o equipamento permite visualizar em tempo real o material da lâmina. “Esse conjunto de leitura de cariótipo acrescenta qualidade e aumenta a quantidade de exames executados”, destaca a Referência Técnica Distrital (RTD) de doenças raras, Maria Teresinha Cardoso.

 

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Além disso, “o sistema faz uma pré-classificação do cariótipo, o que agiliza muito o nosso processo de análise”, explica a bióloga e assessora técnica do Laboratório de Citogenética, Gabriella Vasconcelos.

 

O exame de cariótipo auxilia, principalmente, na investigação de doenças raras e geneticamente determinadas, como casos de crianças com má formação congênita, com deficiência intelectual, com autismo, com baixa estatura, com síndrome de Down e todas as outras cromossomopatias. É utilizado, principalmente, quando a criança nasce com defeito de diferenciação sexual. “Todos tratamentos na rede pública iniciam a partir do diagnóstico feito com o cariótipo”, afirma a RTD.

 

A cariotipagem também auxilia no diagnóstico de pacientes adultos, sobretudo os com infertilidade e casais com repetição de abortos. O Laboratório de Citogenética oferece o exame para as Unidades de Doenças Raras do HAB e do Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib).

 

O diretor do HAB e o deputado Jorge Vianna – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Os aparelhos foram adquiridos por emenda parlamentar do deputado Jorge Vianna, cujo valor total é de R$ 900 mil.