Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/10/12 às 14h30 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Santa Maria conta com grupos de tratamento para diabetes

Um caminho importante na luta contra a doença

A criação de grupos voltados para o tratamento de pacientes com diabetes em Santa Maria e Entorno tem se mostrado como um caminho importante na luta contra a doença causada pela falta ou má absorção de insulina. O hormônio, produzido pelo pâncreas, tem a função de quebrar as moléculas de glicose para transformá-las em para as células do corpo. Quando há ausência total ou parcial desse hormônio surge uma disfunção na queima do açúcar do organismo do doente.

A necessidade da criação de grupos pôde ser identificada diante das necessidades específicas para o tratamento eficiente da diabetes que exige, além do acompanhamento médico, cuidados de uma equipe multidisciplinar que possa difundir orientações relacionadas aos hábitos alimentares, exercícios físicos e de controle da pressão arterial.

No Centro de Saúde número 2, os grupos se reúnem sempre as quartas-feiras pela manhã. Ao todo, são 11 grupos com cerca de 35 membros cada um. Segundo a enfermeira Vilma dos Santos, um dos principais benefícios do grupo é permitir o acompanhamento de cada paciente de forma mais próxima e criteriosa. Vilma explica que, uma vez identificada a diabetes, o paciente é imediatamente encaminhado para um grupo onde poderá conversar com outras pessoas em tratamento e receber suporte informativo, além de medicamentos necessário para combater a doença. “Existe um foco nas informações relacionadas à dieta e também aos exercícios físicos que são fundamentais pra eles”, explica Vilma.

Para terem maior autonomia no controle dos níveis de açúcar do próprio sangue, os participantes do grupo recebem um aparelho de glicemia para que possam acompanhar a evolução do tratamento. E a cada três meses são disponibilizadas cem fitas de medição para o aparelho que o paciente chega a usar até três vezes ao dia.

A permanência nos grupos garante ainda aos pacientes o acesso aos exames de rotina e consultas médicas com bastante facilidade. “Eles ficam bem tranquilos sabendo que ao participarem do grupo terão consultas e exames sempre que necessário, sem dificuldade alguma”, esclarece Vilma. Ela falou, ainda, sobre o plano que a regional tem de criar um grupo noturno para atender aqueles pacientes que acabam impossibilitados de frequentar os encontros devido a impedimentos profissionais.

Entre os sintomas mais comuns da diabetes estão o aumento do apetite, impotência sexual, alterações visuais, sede excessiva e distúrbios cardíacos. Além disso, é preciso ficar atento a alguns dos fatores de risco ligados à doença, como a obesidade, falta de atividade física, hipertensão, estresse emocional e altos níveis de colesterol.

Bruno Estrela