Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/01/21 às 18h45 - Atualizado em 14/02/21 às 14h51

Saúde atinge 96,5% de cobertura vacinal nos Institutos de Longa Permanência para Idosos

COMPARTILHAR

A expectativa é que as instituições estejam totalmente imunizadas até o fim da próxima semana

 

GABRIELA VOGADO, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

Vacinação no Lar dos Velhinhos Maria Madalena, no Núcleo Bandeirante – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

A imunização dos idosos abrigados em Institutos de Longa Permanência (ILPIs) e cuidadores que trabalham nessas instituições, iniciada no dia 19 de janeiro, já atingiu 96,5% de cobertura vacinal, com 2.341 doses da vacina CoronaVac aplicadas. Nos quatro abrigos com pessoas com deficiência a cobertura chegou a 100%.

 

A Região de Saúde Norte – Sobradinho e Planaltina –, por exemplo, está com toda a população de abrigos imunizada. No Lar dos Velhinhos Bezerra de Menezes, uma das seis instituições da Região, a vacinação aconteceu na última sexta-feira (22). Os idosos receberam a equipe da Atenção Primária com muita alegria. A instituição registrou 46 casos da Covid-19, com 40 pacientes recuperados e 6 óbitos causados pela doença.

 

O chefe do Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Imunização da Região de Saúde Norte, Amilton Xavier, participou ativamente do inquérito epidemiológico e do processo de vacinação no local. Para ele, todo o processo de vigilância epidemiológica dos casos de coronavírus na população mais vulnerável contribuiu para a diminuição do número de óbitos. “Criamos um plano de intervenção nas ILPIs, com ações de prevenção para o aumento de casos em pacientes idosos. A vacinação é o fechamento desse ciclo e esperamos ver uma redução na mortalidade desse público de vulneráveis, idosos e com comorbidades”, afirma.

 

Vacinação contra a Covid-19 começou no DF no último dia 19 de janeiro – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF
A Secretaria de Saúde deve finalizar a imunização deste grupo até o final da próxima semana. A terapeuta ocupacional da gerência de Apoio à Saúde da Família, Ângela Maria Sacramento, considera este um momento muito importante para os idosos abrigados nas ILPs, que estão desde março de 2020 sem receber os familiares para as visitas que, antes, eram rotineiras.

 

“Estamos devolvendo a esperança a eles. O início da proteção da população mais vulnerável, na verdade, é a possibilidade de retomada de rotina de atividades – de promoção de saúde e tratamento – e de uma vida normal”, explica.

 

Primeira fase

 

A primeira etapa da campanha de vacinação contempla os idosos a partir de 60 anos e pessoas com deficiência que vivem em unidades de acolhimento, cuidadores que atuam nessas instituições, povos indígenas que moram em terras indígenas, pacientes internados em Home Care assistidos pela Secretaria de Saúde (SAD-AC – pacientes de alta complexidade, internados em casa, que são assistidos com suporte de ventilação mecânica) e pacientes internados no Núcleo Regional de Atendimento Domiciliar (AD2 e AD3 – pacientes internados em casa e acompanhados pelas equipes do Nrad da Secretaria de Saúde), resgatistas dos serviços de Atenção Pré-Hospitalar (APH), militares do Corpo de Bombeiros Militar que fazem atendimento pré-hospitalar.

 

Profissionais da ativa na rede pública de saúde, em todos os níveis de atenção à Saúde: básica, hospitalar, Fundação Hemocentro, Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde, Administração Central, profissionais de saúde voluntários, profissionais de vigilância, limpeza e administrativos integram essa fase da campanha.