Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/05/18 às 18h34 - Atualizado em 30/10/18 às 15h19

Saúde capacita servidores sobre protocolos de acolhimento e classificação

Encontro reuniu 48 servidores de unidades de pronto atendimento. Foto: Daniela Magalhães

 

A Secretaria de Saúde deu início, nesta quinta-feira (17), ao 1º Ciclo de Capacitação de Multiplicadores nos Protocolos de Acolhimento e Classificação de Risco.

 

A abertura ocorreu pela manhã, quando foram expostas a Política Nacional de Humanização e a rede de urgência e emergência da rede pública do Distrito Federal.

 

O primeiro tema da capacitação, que conta com a participação de 48 profissionais de unidades de pronto atendimento (UPA) e emergências de todas as regiões de Saúde do DF, foi o protocolo de acolhimento e classificação de risco obstétrico.

 

“No final da tarde, planejamos as oficinas nas regiões, pois a ideia é replicar a capacitação nas regiões de saúde para implementarmos os protocolos nas portas de atendimento até dezembro”, informa a assessora técnica da Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde, Daniela Magalhães.

 

As atividades continuam nessa sexta-feira (18), quando serão expostos protocolo de acolhimento e classificação de risco pediátrico e o clínico adulto. “Na próxima semana, nos dias 24 e 25 de maio, teremos mais 40 servidores nesta capacitação. E em junho, iniciamos o segundo ciclo, que é quando começaremos a capacitação nas próprias regiões”, anuncia Daniela.

 

Segundo a subsecretária de Atenção Integral à Saúde, Martha Vieira, com a capacitação, “espera-se uma melhor qualidade no pronto atendimento dos usuários, seja nas unidades básicas de saúde, emergências hospitalares ou pré-hospitalares, com reflexos positivos para a população e para as equipes que realizam atendimento nesses serviços.”

 

Ela diz, ainda, que com a implementação do novo protocolo de Acolhimento e Classificação de Risco (ACR), a Secretaria de Saúde volta a formar servidores habilitados para a classificação de risco no acolhimento do usuário que procura atendimento nas emergências.

 

“O ACR é uma ação fundamental para a segurança do paciente e dos profissionais de saúde que atendem nesses serviços, permitindo que aqueles pacientes com quadros mais graves sejam atendidos com prioridade e em tempo oportuno”, finaliza a subsecretária.

 

TEXTO: Alline Martins, da Agência Saúde