Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/01/12 às 19h29 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Saúde divulga números de malária e outras doenças transmissíveis no DF

O Núcleo de Controle de Endemias, Doenças Transmissíveis e Emergentes/SES-DF elaborou um informativo epidemiológico com a notificação dos casos de malária, febre amarela, esquistossomose, febre maculosa e doenças de chagas, em 2011, no Distrito Federal. Em relação à malária, 46 pessoas contraíram a doença, sendo que uma faleceu, tendo sido infectada na África. Ainda foram tratados no DF, dois casos de febre maculosa e seis de esquistossomose. A febre amarela teve 20 casos suspeitos, sem nenhuma confirmação. Também não foi detectado nenhum caso de doença de chagas.

Segundo o chefe do Núcleo de Endemias, Dalcy de Albuquerque Filho, a possibilidade de transmissão de malária dentro do Distrito Federal é pequena, já que 97% dos casos se concentraram na Região Amazônica. Ainda assim, é preciso que as pessoas que viajaram para região de matas ou florestas dentro de um período de até seis meses, e apresentem sintomas como febre com períodos de não febre e frio excessivo seguido de calor, fadiga e mal estar procurem atendimento médico com urgência.

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica – Divep- da Subsecretaria de Vigilância à Saúde, tem uma equipe volante subordinada ao Núcleo, que em caso de suspeita de malária, é acionada pelos plantonistas dos hospitais, 24 horas por dia. Uma vez acionada, a equipe vai até o local onde está o paciente e faz coleta de sangue para confirmação. Caso o resultado seja positivo, o tratamento é iniciado imediatamente.

Em relação à febre amarela, o relatório informa que trata-se de uma endemia encontrada nas regiões tropicais úmidas da
África e da América do Sul e que os casos ocorrem principalmente nos meses chuvosos de janeiro a abril. Quem for viajar para áreas endêmicas deve estar protegido contra a doença. A vacina tem validade de dez anos e é oferecida nos centros de saúde da SES-DF.

A Esquistossomose, transmitida pelo caramujo de água doce, que teve seis casos tratados no DF, foram de pessoas vindas de Minas Gerais e Bahia, além de outros locais que não foram determinados. Já a febre maculosa, que teve dois casos, é uma infecção aguda causada pela bactéria Rickettsia rickettsii. O homem é infectado através da picada do carrapato que eventualmente carrega esta bactéria nas suas glândulas salivares.

O informativo epidemiológico elaborado pelo Núcleo de Endemias é divulgado regularmente no site www.saude.df.gov.brInforme Doenças.

Arielce Haine SES-DF