Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
28/05/15 às 13h25 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Saúde faz ação no Lago Oeste contra a febre amarela

COMPARTILHAR

700 pessoas foram vacinadas

BRASÍLIA (28/5/15) – As Diretorias de Vigilância Ambiental e Epidemiológica da Subsecretaria de Vigilância à Saúde, juntamente com a Coordenação de Saúde da Regional de Sobradinho realizaram, na última terça-feira (26), uma estratégia de intensificação das ações de vigilância, prevenção e controle da febre amarela no Núcleo Rural Lago Oeste, em Sobradinho.

O objetivo foi orientar a população, explicar sobre as formas de contaminação e identificar aqueles que ainda não tomaram as duas doses recomendadas da vacina. Cerca de mil moradores participaram da ação. Destes, 700 foram vacinados no local pela equipe da vigilância epidemiológica da Regional.

“Sempre que acontece um caso de suspeita de febre amarela em residente no DF a vigilância ambiental vai até o local de residência ou local provável de infecção para analisar o ambiente, realizando a busca ativa de animais mortos, coleta dos mosquitos transmissores na região e orientar a população, pois a forma de transmissão é através da picada dos mosquitos transmissores infectados. O mosquito pica o reservatório, que pode ser um homem ou um macaco doente e leva para outras pessoas. Além disso, a vigilância epidemiológica faz a busca ativa dos moradores que ainda não tomaram as duas doses necessárias da vacina e os imuniza”, informou a diretora da Vigilância Ambiental da SES-DF, Vaneide Pedi.

Na semana passada um morador da cidade, que contraiu a doença fora do DF, faleceu. Este foi o segundo caso de morte por febre amarela registrado em Brasília. No primeiro caso o paciente também contraiu a febre amarela em outro estado. Desde 2010 não há registro de transmissão da doença no DF.

A febre amarela é transmitida pela picada de mosquitos silvestres e pelo Aedes aegypti. O período de incubação varia de três a seis dias. Os sintomas da doença se parecem com os de uma gripe. Além de febre, há amarelão na pele e nos olhos, dores de cabeça e no corpo e calafrios. Pode atacar o fígado e os rins e o portador passa a ter crises de vômitos e diarreia. Com o agravamento, pode haver diminuição ou ausência de urina, sangramentos e confusão mental. A melhor forma de prevenção da doença é a vacina.

“A Secretaria disponibiliza essa vacina nos centros de saúde com dias e horários específicos. Quem já tiver tomado duas doses está imunizado para o resto da vida. Quem tiver só uma dose ou nunca tomou a vacina deve ligar no número 160 para saber qual é o centro de saúde mais próximo de sua residência que tenha a vacina disponível. É importante que todos estejam imunizados, principalmente antes de viajar para locais de área rural e fora do país”, disse Segatto.

A Secretaria de Saúde conta com um ambulatório do viajante, localizado no Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Quando uma pessoa for viajar para fora do DF ou do país ele receberá dos profissionais que atuam neste ambulatório as informações de quais são as vacinas necessárias a se tomar antes de viajar, de acordo com o estado ou país de destino. Quem tiver dúvidas pode ainda acessar o site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), lá é disponibilizado um arquivo com as informações das vacinas necessárias para entrar em cada país.

FEBRE AMARELA SILVESTRE – A Secretaria de Saúde alerta que se alguém encontrar em sua região um macaco morto ou doente deve entrar em contato com a vigilância ambiental, através do número 3343-8804, para que a uma equipe possa fazer a busca do animal e diagnosticá-lo, pois no ciclo da febre amarela silvestre o macaco é o hospedeiro.

Locais de vacinação para BCG e febre amarela