Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/05/17 às 19h18 - Atualizado em 30/10/18 às 15h17

Saúde lança aplicativo Amamenta Brasília

COMPARTILHAR

Plataforma facilitará o acesso aos bancos de leite 

BRASÍLIA (19/5/17) – No Dia Mundial da Doação de Leite Humano, comemorado nesta sexta-feira (19), a Secretaria de Saúde do Distrito Federal aproveitou a data para lançar o aplicativo do Amamenta Brasília, que facilitará o acesso das doadoras de leite humano aos bancos de leite da rede pública. A iniciativa foi criada pela Assessoria de Comunicação da pasta em parceria com a empresa Moringa Digital. A plataforma é inédita na história da rede. 

A partir de hoje, a plataforma está disponível nas lojas virtuais de smartphones com o sistema Android e iOS (iPhone). Por meio dela, a usuária poderá se cadastrar, informar o local de retirada do leite humano e solicitar mais potes para doação. Ainda no mesmo sistema, as mães poderão convocar a equipe responsável pela coleta do leite na sua região.

PARTICIPANTES – Na ocasião, além da apresentação do aplicativo, foram disponibilizados folders sobre a doação de leite materno e a quem se deve recorrer quando a mulher decide colaborar com a ação. O evento, realizado em parceria com o Metrô DF, teve a participação da colaboradora do Governo de Brasília, Márcia Rollemberg, esposa do governador Rodrigo Rollemberg; do presidente do Metrô DF, Marcelo Dourado; do coordenador de Redes da Secretaria de Saúde, Fábio Pires; do chefe da Assessoria de Programas Sociais do Corpo de Bombeiros do DF, Robson Lagares e da coordenadora de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano da pasta, Miriam Santos.

Em seu pronunciamento, Márcia Rollemberg ressaltou a importância da criação da plataforma como um meio de captar cada vez mais doadoras e aproximá-las das principais informações sobre o tema. “É um esforço positivo da Secretaria de Saúde que demonstra o comprometimento da pasta com a causa e com aqueles que mais precisam. A partir dele, as doadoras poderão ter em mãos e, a qualquer tempo, a possibilidade de contribuir na continuação dessa rede que é uma referência de promoção da vida”, declarou.

Fábio Pires, por sua vez, destacou que a data é uma forma de sensibilizar mais mulheres a aderirem à doação. Segundo ele, o trabalho dos bancos de leite humano realizado na capital é reconhecido mundialmente. Para Fábio, a plataforma é outra forma de inovar e reinventar o serviço prestado, pois as usuárias podem auxiliar na gestão da coleta no momento em que informam a data e horário mais propícios para a coleta do leite.

BENEFÍCIOS – Pelo aplicativo, os bombeiros, responsáveis pela coleta do material, poderão criar rotas de GPS, de forma a otimizar o trabalho. Além disso, os profissionais têm a possibilidade de contatar as doadoras, que conseguirão notificar as equipes de recolhimento do leite humano.

De acordo com a médica Miriam Santos, o software significa uma ampliação da atuação do hotsite Amamenta Brasília. “No aplicativo, disponibilizamos toda a base de dados existente no hotsite para que nossas doadoras estejam munidas de todas as informações necessárias para realizar o ato. Hoje, entregamos às nossas mães colaboradoras uma conquista que as pertence e que abrirá outras portas para garantirmos mais qualidade e melhoria no serviço”, acrescentou.

ESTOQUE – De janeiro a abril de 2017, foram coletados 5.221,7 litros de leite humano, o que corresponde a 24,9 litros a mais que no mesmo período do ano passado (5.196,8 litros). Vale ressaltar que o volume de leite coletado não está diretamente ligado à quantidade de mulheres doadoras.

O número de receptores chegou a 3.643 neste ano, o que representa aumento de 794 em relação a 2016, que registrou 2.849. Em relação à quantidade de doadoras, este ano reuniu 1.853 mulheres doadoras e, em 2016, 1.891, ou seja, 38 mulheres a menos em 2017.

Até abril deste ano, foram realizadas 9.292 visitas domiciliares. Em 2016, foram 9.064. Um aumento de 228 visitas.

BANCOS DE LEITE – A Secretaria de Saúde do DF conta com 10 bancos de leite humano e dois postos de coleta. A pasta é responsável por 90% do recolhimento de leite humano na capital. Todos eles fazem parte da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano – são 217 unidades em todo o país. Classificados como referência nacional pelo Ministério da Saúde, os bancos de leite de Brasília são considerados os melhores do Brasil.

Além disso, possuem classificação de Padrão Ouro pelo Programa Internacional Ibero-Americano de Bancos de Leite Humano. As unidades localizadas no DF representam mais da metade da cobertura total do Centro-Oeste e toda a da região Norte. A rede de banco de leite humano do GDF é pioneira no lançamento do primeiro site de captação de doadoras no país. Brasília também é reconhecida como a Capital Nacional dos Bancos de Leite.

Confira as fotos aqui.