Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/07/21 às 19h39 - Atualizado em 30/07/21 às 20h49

Saúde lança Boletim Epidemiológico de Violência no ciclo de vida das pessoas idosas no Distrito Federal

Documento traça o perfil deste tipo de violência praticado contra pessoas idosas nos últimos três anos

 

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

Com o objetivo de traçar o perfil da violência contra a pessoa idosa no DF, a Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS) elaborou o Boletim Epidemiológico de Violência Interpessoal no ciclo de vida das pessoas idosas no Distrito Federal, do Núcleo de Estudos, Prevenção e Atenção às Violências (Nepav).

 

“Este boletim traz a análise de perfil das pessoas idosas em situação de violência interpessoal nos últimos anos. A apresentação com os dados dos últimos três anos permite visualizar o perfil estabelecido para as pessoas em situação de violência e o impacto da pandemia nesta população ”, explica Márcia Vieira, gerente de Vigilância das Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção à Saúde (GVDANTPS), que também ajudou na elaboração do documento.

 

O Distrito Federal alcançou em 2020 população de 3.052.546 pessoas. A população idosa (acima de 60 anos) é composta por 346.221 pessoas correspondendo a 11,3% da população geral. Já a distribuição da população idosa por sexo aponta 52,2% no sexo feminino e 47,8% no masculino.

 

Saúde lança Boletim de Violência contra idosos – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

 

No período de 2018 a 2020 foram notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan-DF) 8.422 casos de violências interpessoais no Distrito Federal. O número de notificações referentes ao ciclo de vida das pessoas idosas é de 273 notificações (3,2% do total de notificações no período), sendo a média de 91 ocorrências ao ano. A análise por sexo demonstra que 67% das notificações no período de 2018 a 2020 são de pessoas do sexo feminino enquanto que 33% são do masculino.

 

“Esta sinalização de mudança de perfil é de suma relevância do ponto de vista da vigilância, uma vez que estas análises baseadas em dados servem para subsidiar políticas públicas e planos de ação de enfrentamento e prevenção de violência mais efetivos”, avalia.

 

O Boletim demonstra que no ciclo de vida das pessoas idosas as violências mais prevalentes são a física e a psicológica ou moral nas três faixas etárias; e, com o avançar da idade, as violências financeira ou econômica e negligência ou abandono. Os meios de agressão mais prevalentes são a força física e a ameaça. Na violência sexual, o tipo mais prevalente é o estupro.

 

Saúde lança Boletim de Violência contra idosos – Arte: Marco/Agência Saúde DF

 

De acordo com o documento, nas situações de violência contra a pessoa idosa, múltiplos atores são mais comuns, com vínculos familiares (cônjuge e filhos), e por indivíduos adultos, do sexo masculino e que não fizeram uso de álcool no momento da agressão.

 

Óbitos

 

No período entre 2018 a 2020, foram registrados no Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) 1.574 casos de óbitos por agressão, no Distrito Federal. Destes, 62 óbitos (3,9% do total de óbitos por agressão) são referentes às pessoas idosas de 60 e mais anos de idade, com média de 20,7 óbitos por agressão ao ano.

 

O boletim destaca que 91,8% das vítimas de violência por pessoas idosas são residentes no Distrito Federal e 7,7% em Goiás. As regiões administrativas de residência das vítimas de violência por pessoas idosas com maiores médias de prevalência no período estudado são: Ceilândia, Samambaia e Guará.

 

Saúde lança Boletim de Violência contra idosos – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

 

Já a violência sexual é a mais frequente quando o autor é do ciclo de vida das pessoas idosas com 49,5%, seguida pela violência psicológica com 39,9% e física com 35,8%. O tipo de violência mais frequente é o estupro com 30,8% e o assédio sexual com 18,3%. O meio de agressão mais utilizado é a força corporal e espancamento com 30,8% de frequência e a ameaça em 28,8%.

 

O Nepav oferece um conjunto de recomendações baseadas nos dados e suas análises com o intuito de fortalecer a atuação dos gestores e dos profissionais de saúde a fim de diminuir o número de casos de violência contra os idosos e melhor notificá-los.

 

Atendimento na rede

 

Hoje, a Secretaria de Saúde disponibiliza atendimento especializado para as pessoas em situação de violência, os Centro de Especialidade para Atenção às Pessoas em Situação de Violência Sexual, Familiar e Doméstica (Cepav), com 17 unidades distribuídas no território do Distrito Federal, com acolhimento porta aberta em horário comercial, de segunda a sexta-feira.

 

Para acessar a integra do Boletim Epidemiológico de Violência no ciclo de vida das pessoas idosas, clique aqui.