Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/10/13 às 21h23 - Atualizado em 30/10/18 às 15h08

Saúde promove oficina em Ceilândia para implantação da ficha de registro

COMPARTILHAR

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF) por meio da Gerência de Doenças e Agravos Não Transmissíveis (GDANT) promove nesta quarta-feira (30), em Ceilândia, oficina de implantação da ficha de registro das “Atividades de Promoção e Prevenção Desenvolvidas em Grupos na Atenção Primária e CAPS”, no Centro de Saúde 11 do Setor “O” Expansão.

O objetivo é identificar e monitorar as ações coletivas de promoção de saúde desenvolvidas pelas unidades nas regionais de saúde.

Segundo a gerente da GDANT/SES/DF, Édisa Lopes, a implantação da ficha de registro permitirá identificar problemas de saúde da comunidade para que sejam implantadas ações e atividades pelos profissionais de saúde.

“A ficha de registro vai muito além das ações de tratamento de doenças infectocontagiosas, do aparelho circulatório, neoplasias (câncer) e causas externas (acidentes)”, relata a gerente.

A Regional de Saúde de Ceilândia é a quinta a receber a oficina, que já passou pelas regionais de Planaltina, Paranoá, Núcleo Bandeirante, São Sebastião onde a ficha de registro já foi implantada.

A Diretoria Regional de Atenção Primária à Saúde (Diraps) será responsável pela análise epidemiológica da regional para traçar o planejamento de ações que deverão ser realizadas.

Cada Diraps regional deverá apresentar os dados de mortalidade e morbidade identificando os problemas de saúde da regional e priorizar ações e promoção em seu planejamento com respostas e identificação dos seus problemas locais como casos de violência, acidente de trânsito, alta mortalidade por doenças do aparelho circulatório entre outros, dando prioridade aos eixos do Plano Distrital de Promoção da Saúde (PPS).

Os eixos que sustentam o PPS são: alimentação saudável; prática corporal, atividade física e outras Práticas Integrativas de Saúde; prevenção da morbimortalidade em decorrência do uso abusivo de álcool e outras drogas; redução da morbimortalidade de acidente de trânsito; prevenção da violência e estímulo à cultura da paz; promoção do desenvolvimento sustentável e promoção da saúde do trabalhador.

A oficina de implantação do registro das “Atividades de Promoção e Prevenção Desenvolvidas em Grupos na Atenção Primária e CAPS”, serve de aprimoramento para os profissionais de saúde na análise epidemiológica de sua regional.

Para Édisa Lopes, o registro identifica os principais problemas, permite o planejamento de ações de promoção à saúde bem como a monitoração dessas ações, avaliação da análise epidemiológica em médio ou em longo prazo para que se possa ter uma melhor qualidade de vida da população como, redução das taxas de mortalidade e das internações pelas doenças e agravos não transmissíveis.

Júlio Duarte